Ricardo Teixeira declara na CNN Brasil que amigo investigado não negociou com Neymar

Segunda parte da entrevista de Monalisa Perrone com o ex-cartola vai ao ar neste domingo (19)

Publicado há 2 meses
Por Fábio Costa
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No próximo domingo, (19), às 19h, o programa CNN Séries Originais, apresentado por Evaristo Costa na CNN Brasil, direto de Londres, exibe três documentários inéditos: Além das Quatro Linhas, Amazônia, o Código da Vida e Palácios da Rainha.

No segundo episódio da série Além das Quatro Linhas, “As Denúncias”, mais revelações e polêmicas na entrevista de Monalisa Perrone com Ricardo Teixeira. O ex-cartola revela os bastidores da amizade com o ex-presidente do Barcelona, Sandro Rossell, e como a contratação de Neymar pelo time catalão foi parar na Justiça espanhola.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na entrevista, perguntado sobre sua amizade com Sandro Rossell, um dos pivôs da acusação de lavagem de dinheiro no processo de venda de direitos televisivos de jogos da Seleção Brasileira, afirma que o chamava de “Sandrinho” e não “Sandrito”, enfatizando as diferenças entre os apelidos.

Monalisa Perrone questiona sobre a entrada de Rossell no ônibus da Seleção Brasileira, em 2011, para negociar com o atacante Neymar, então jogador do Santos, e Teixeira responde: “Isso é uma brincadeira. Não é verdade”. A âncora da CNN Brasil reforça a pergunta: “Nunca entrou?”.

Nesse momento, o ex-cartola brasileiro muda o discurso e revela que sim, afirmou que Sandro Rossell entrou diversas vezes no ônibus da Seleção, porém nunca para negociar com o atacante. “Ele entrou, mas nunca sentou ao lado de nenhum jogador para negociar. Ele sentava ao meu lado, sempre ao meu lado. E, na minha gestão, o Neymar não era o Neymar”, disse balançando a mão direita em um sinal de ‘mais ou menos’.

O ex-presidente da CBF ainda revelou histórias dos bastidores do caso sobre a convulsão do atacante Ronaldo, na véspera da final da Copa do Mundo da França, em 1998, e da tensão do vestiário antes da derrota por 3 a 0. Além do amistoso da Seleção Brasileira no Distrito Federal que virou caso de polícia.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais