Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Exclusivo

Kelner Macêdo fala de romance em Sob Pressão e defende mais papéis LGBTQIA+: “O macho esgotou”

Ator retorna a série médica da Globo como namorado de Décio (Bruno Garcia); leia entrevista exclusiva

Publicado em 18/06/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Na semana da Parada e do Dia do Orgulho LGBTQIA+, discutir a representatividade na TV é cada vez mais necessário. E nenhuma produção normaliza tão bem a questão como Sob Pressão. Na quinta temporada da série médica, exclusiva do Globoplay, Décio e Kleber voltam com uma trama que poderia ser de qualquer casal. Para Kelner Macêdo, intérprete do namorado do diretor do hospital, é uma vitória de toda a comunidade que lutou por espaço na dramaturgia sem clichês nem chacota.

(Atenção: a sequência do texto contém spoilers da quinta temporada de Sob Pressão)

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Na nova leva de episódios, Décio deixa a direção do hospital para viver na Inglaterra com Kleber (Kelner Macêdo), que ainda lhe propõe um casamento surpresa no local de trabalho do amado. Como a série ainda não foi disponibilizada integralmente (o quinto e o sexto capítulos chegaram à plataforma de streaming na última quinta, o público ainda não sabe se o casal continuará ou se haverá alguma reviravolta igual a outras desta temporada. Kelner sente o carinho e a torcida dos fãs por um final feliz.

“Acompanhar o avanço dessa vida me interessa muito. No caso do Kleber, foi uma surpresa, porque a gente achava que seria um episódio da terceira temporada, mas voltou na quarta e na quinta, e essa história sobrevive, continua. Acho muito importante ter uma história como esta sendo contada na televisão. As pessoas acreditaram neles, torcem por eles, e há uma falta disso. Não temos personagens gays na TV em que a gente aprofunda o relacionamento, o amor. As pessoas têm muito carinho pelo Kleber, acho muito bonito, representa muito para mim. Recebo muitas mensagens, muita torcida, querem que eles fiquem juntos, querem ver a história de amor, querem acompanhar, têm um carinho muito genuíno”, comemora Kelner Macêdo em entrevista exclusiva à coluna.

Décio relutou em deixar o hospital para aceitar a viagem com Kleber, mas decidiu entregar o cargo para Vera (Drica Moraes) e concordou com a mudança para a Inglaterra. Os dois celebraram a nova vida com um beijo apaixonado semelhante ao da terceira temporada, exibida pela Globo no dia em que o STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homofobia.

“Bruno e eu temos uma química mesmo, e descobrimos em cena na primeira vez. Não há ensaio. Fazemos na hora. O diretor faz as marcações, entendemos a coreografia e gravamos. É tudo na hora. Temos que construir intimidade muito rapidamente. Quando demos um beijão no dia em que o STF criminalizou a homofobia, foi a melhor coincidência do mundo! Adoramos contar essa história, ficamos mais amigos, nos aproximamos mais. Temos mais intimidade como os personagens”, comenta o ator.

Décio e Kleber se beijam em Sob Pressão

Kelner Macêdo: “O masculino está esgotado”

Kelner conciliou Sob Pressão com as gravações de Verdades Secretas 2, em que interpretou DJ Mark e viveu um tórrido trisal com a modelo Chiara (Rhay Polster) e a mãe dela, Aline (Paula Burlamaqui). Entre cenas de amor monogâmico e de sexo a três, o ator encara sua profissão como um meio para ajudar a romper o padrão masculino que se estabeleceu na dramaturgia.

“Abrir espaço dentro dessa narrativa é abrir interesse sobre esses outros corpos, incluir, tirar da margem e botar no centro. Como pessoa e como artista, isso me interessa. Meu trabalho tem passado por isso. Mesmo quando faço um hétero, como em Verdades Secretas 2, há uma tentativa minha da desconstrução do estereótipo do boy, do macho, porque acho que esse masculino também está esgotado”, define.

Aos 27 anos, Kelner Macêdo já é considerado referência para a comunidade LGBTQIAP+ por papéis como Elias, do filme Corpo Elétrico (2017), e Vini, da série Todxs Nós (2020). O ator paraibano também observa sua arte como instrumento político para combater o preconceito.

“Há 10 anos, quando comecei, jamais pensaria que hoje estaria nesse lugar. Acho que essa posição foi me pegando, me trazendo para perto, porque os trabalhos foram me escolhendo. Todxs Nós concretizou esse lugar de representatividade, de ocupar lugares dentro dessa estrutura, que a gente sabe que não é fácil sabendo que o Brasil é muito preconceituoso. Levar essa bandeira e me colocar como uma pessoa LGBT abertamente cria um novo referencial, um novo imaginário sobre nossos corpos, sobre tudo. A gente nunca se viu de verdade. A gente sempre viu um grande estereótipo como se todo gay fosse a mesma coisa, mas não. Somos infinitas possibilidades. O meu trabalho também está me levando a construir isso. Não é um título que eu me dou, mas que escuto muito e fico feliz de ouvir isso, porque eu começo a entender que está dando certo e estamos criando um novo lugar, porque isso era impensado há 15 anos. Os atores ficavam no armário, não se podia falar abertamente, era muito tabu. Hoje, poder construir uma carreira e poder representar esses personagens dando cara, corpo, voz e sentimento, e poder diferenciá-los, poder fazer com que cada um seja cada um, me interessa muito, e também comunicar, trocar com as pessoas e construir história que aproximem nas nossas, dos nossos corpos, das nossas pluralidades”, analisa.

Siga o colunista no Twitter e no Instagram.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....