Em Miami, Edir Macedo toma vacina contra o coronavírus indisponível no Brasil

Dono da Record recebeu dose única de imunizante da Janssen

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus e dono da Record, foi vacinado contra o novo coronavírus em Miami (EUA). Nesta quinta-feira (18), o empresário de 76 anos publicou em sua rede social um vídeo recebendo o imunizante da Janssen, ainda indisponível no Brasil.

Macedo se vacinou ao lado da mulher, Ester. Em resposta a um seguidor, ele revelou ter tomado o imunizante produzido pela empresa farmacêutica da Johnson & Johnson, que precisa de apenas uma dose para proteger contra a Covid-19 e apresentou eficácia de 72% em estudo realizado nos Estados Unidos.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No Brasil, o Ministério da Saúde anunciou a compra de 38 milhões de doses da vacina da Janssen, porém as primeiras 17 milhões chegarão apenas até o final de agosto. As outras 21 milhões tem prazo de entrega para novembro.

Edir Macedo é o segundo dono de televisão a tornar pública sua vacinação. Na última semana, Silvio Santos, “patrão do SBT, recebeu a segunda dose da Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório Sinovac.

O líder religioso chegou a ser investigado pelo Ministério Público Federal por aconselhar seus fiéis a não se preocuparem com a pandemia porque o coronavírus era uma “tática de Satanás”.

Meu amigo e minha amiga, não se preocupe com o coronavírus. Porque essa é a tática, ou mais uma tática, de Satanás. Satanás trabalha com o medo, o pavor. Trabalha com a dúvida. E quando as pessoas ficam apavoradas, com medo, em dúvida, as pessoas ficam fracas, débeis e suscetíveis. Qualquer ventinho que tiver é uma pneumonia para elas”, disse Edir em março de 2020. Ele apagou a publicação de seu Instagram.

Em junho do ano passado, o portal R7, do mesmo grupo da Record, noticiou que Edir Macedo contraiu a Covid-19 e se recuperou tomando medicamentos sem eficácia comprovada para a doença, porém divulgados pelo presidente Jair Bolsonaro, de quem o bispo é apoiador.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio