Maju pede desculpas por dizer “o choro é livre”: “Expressão infeliz”

Apresentadora esclareceu frase após ser atacada por filho de Jair Bolsonaro

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Maria Júlia Coutinho pediu desculpas por ter falado “o choro é livre” no Jornal Hoje da última terça-feira (16), ao se referir a quem critica as medidas de restrição adotadas por cidades para impedir aglomerações e a propagação do novo coronavírus na pior fase da pandemia no Brasil. Na edição desta quinta, a apresentadora classificou a frase como “expressão infeliz”. Ela foi atacada por apoiadores de Jair Bolsonaro e pelo filho do presidente, Eduardo Bolsonaro.

“Anteontem, para reforçar a necessidade do isolamento social, eu usei, no improviso, uma expressão infeliz, que precisava de um complemento para deixar bem claro o que eu queria dizer. Eu falei o seguinte: ‘O choro é livre’. Eu quis dizer que, por mais amargas que sejam as medidas de isolamento, elas são necessárias para evitar o colapso do sistema de saúde”, iniciou Maju.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Mas eu também entendo perfeitamente a dor dos pequenos e médios empresários que são obrigados a manter os negócios fechados. E você é testemunha de que ontem mesmo a gente exibiu aqui uma longa reportagem sobre o assunto, e ao final dela eu disse assim: ‘Desejo também agilidade do governo e do Congresso para atender aos empresários e também às famílias que estão aguardando o auxílio emergencial”, prosseguiu a apresentadora.

“Eu reitero hoje aqui esse desejo, me desculpa pela expressão que usei anteontem e bola pra frente”, concluiu.

A fala de Maju viralizou em perfis de bolsonaristas na rede social. Políticos e influenciadores de extrema-direita distorceram o sentido da frase e acusaram a apresentadora de dizer “o choro é livre” para brasileiros que perderam o emprego ou faliram empresas em função da pandemia, o que é mentira.

Outros perfis inventaram que Maria Júlia Coutinho recebe R$ 130 mil mensais da Globo e que ela estava trabalhando em pleno lockdown. Outra mentira, já que a cidade de São Paulo, onde fica o estúdio do Jornal Hoje, não adotou o lockdown (fechamento total) para controlar a circulação de pessoas.

Entre os políticos que compartilharam o vídeo e distorceram a fala de Maju, estão os deputados federais Carlos Jordy (PSL-RJ), Cabo Junio Amaral (PSL-MG) e Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), a deputada estadual Leticia Aguiar (PSL-SP), a vereadora Sonara Fernandes (Republicanos-SP). Também participaram do ataque à jornalista a ex-jogadora de vôlei Ana Paula Henkel e o youtuber bolsonarista Allan dos Santos, investigado pelo STF no inquérito das fake news e sobre atos antidemocráticos.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio