Empresas abrem novas frentes na guerra do streaming

Dinâmica das gigantes em atuação no Brasil reflete uma movimentação que é mundial

Publicado em 26/7/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Segue a pleno vapor a competitividade entre as principais empresas que oferecem serviços de streaming e aplicativos de vídeo sob demanda no Brasil e no mundo. Cada uma delas vem com conteúdos exclusivos de seus estúdios ou produções encomendadas ou adquiridas, disputando de forma ostensiva não apenas o gosto do cliente, mas aquela parte bem sensível dos assinantes nestes tempos difíceis da economia e pandemia: o bolso.

A Netflix, líder no mundo todo com seus mais de 209 milhões de assinantes, acaba de anunciar aumento nas suas mensalidades no Brasil, que passam a custar a partir de R$ 25,90, indo até R$ 55,90.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O último balanço da empresa mostrou uma queda no número de clientes nos Estados Unidos e Canadá, que são a maior e mais rentável fatia de seu mercado. Já localidades como Índia e Brasil, com menos rentabilidade por cliente, apresentaram aumento de clientes.  

O serviço Globoplay está com uma intensa campanha publicitária com o tema Olimpíada de Tóquio para venda de seu pacote que inclui, além de atrações sob demanda, também canais lineares – aqueles de transmissão do tipo convencional, tal como na TV por assinatura (como o SporTV), porém que chegam via internet.

O pacote Globoplay + 19 canais, sai por R$ 42,90/mês (contrato de um ano); já o plano somente com o conteúdo sob demanda, sem canais ao vivo, está em R$ 14,90/mês (mínimo de um ano).

A Globo não divulga o número de clientes pagantes da sua plataforma, mas a empresa demonstrava em maio uma preocupação com a queda de assinantes que haviam ingressado no sistema somente para acompanhar o BBB21, prevendo uma saída em massa. Desde então, o serviço vem incrementando suas ofertas com novelas antigas da TV Globo, novelas mexicanas e turcas, além de novos documentários nacionais, como O Caso Evandro e o documentário sobre Juliette Freire, a ganhadora do reality show.

Onda global

Esse movimento todo das empresas de streaming não é um fenômeno local, mas sim vem acontecendo em todo o mundo. Ou pelo menos na parte do globo que abriga os quase 900 milhões de domicílios com conexão de banda larga  — exceto os domicílios da China, país a que as empresas não têm acesso para atuar comercialmente.

A Disney+ cresceu rapidamente e já tem 104 milhões de assinantes no mundo; no Brasil, o a programação pode ser adquirida sozinha, ou em combo com o Globoplay. Em breve, será vendida também junto ao serviço Star+, que reunirá os conteúdos dos extintos canais e estúdios da Fox.

No meio de tudo isso, Warner e Discovery se juntaram numa única empresa, a Warner Bros. Discovery. Ela surgiu a partir da venda que a AT&T (dona da Vrio, detentora da operadora Sky no Brasil, que foi vendida para o grupo Werthein, da Argentina) fez da Warner para a Discovery, o que gerou um novo conglomerado no valor de US$ 150 bilhões. Trata-se do segundo maior grupo de mídia do mundo, só perdendo para a DisneyABC.

Enquanto a Warner (por meio da sua marca HBO Max) e Discovery atuam de forma separada no streaming, o serviço HBO Max está agora se expandindo para fora dos EUA, onde já tem quase dez milhões de assinantes. O serviço HBO Max acaba de chegar ao Brasil, está com 63 milhões de assinantes globalmente  espera atingir entre 70 e 73 milhões até o final do ano. No Brasil, o HBO Max tem uma promoção agressiva, com mensalidades a partir de R$ 9,95, dando 50% de desconto para quem assinar o novo serviço até o dia 31 de julho.

O streaming Discovery + está prometido para setembro no Brasil. Nos Estados Unidos, o serviço já soma 15 milhões de clientes, com uma modalidade de assinatura que custa um terço (US$ 5) do que o HBOMax (US$ 15).

Onda local

A Amazon Prime Video segue investindo no seu catálogo – a empresa comprou os estúdios e acervo da MGM, numa aquisição de US$ 8,5 bilhões. Por aqui, o serviço tem, além dos lançamentos de produções nacionais, uma promoção em massa, que vincula a mensalidade da assinatura à gratuidade de frete para quem faz compras de produtos físicos pelo site da Amazon. A assinatura para um ano começa em R$ 9,90/mês.

Além de todos estes, há outros serviços com programações exclusivas que se atrelam a algum player maior, ampliando a oferta de atrações, como por exemplo Starzplay, Paramount  (ambos no Amazon Prime Video).

Ainda, o brasileiro UOL está em fase de lançamento de seu UOL Play, com canais lineares em streaming, conteúdo avulso de filmes, séries e shows e reality shows, com opções de pacotes com mensalidade a partir de R$ 15,90/mês até R$ 69,90.

Por fora, corre ainda a Pluto TV (pertencente à ViacomCBS), plataforma gratuita presente no Brasil com dezenas de canais lineares e títulos sob demanda, tudo sustentado por anúncios publicitários.  Como se vê, a briga é boa e está apenas começando.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio