Amoroso vovô de Era Uma Vez…, Elias Gleizer marcou a infância de vários espectadores

Em mais de 50 anos de carreira, ator frequentemente foi escalado para papéis de padre e de bonachão

Publicado há uma hora
Por Fábio Costa
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em maio de 2015, o ator Elias Gleizer infelizmente nos deixou, aos 81 anos, após complicações de saúde provocadas por uma broncopneumonia. Atualmente no ar em ‘edição especial’, a novela Flor do Caribe (2013), de Walther Negrão, foi um dos últimos trabalhos do ator.

Aliás, Walther Negrão foi parceiro de Elias Gleizer em diversos trabalhos, mesmo antes dos dois iniciarem sua série de encontros na dramaturgia da TV Globo em 1984, quando o ator viveu Pedrão em Livre Para Voar. Negrão declarou que o personagem foi inspirado na vivência real de seu pai, trabalhador do setor ferroviário.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

De nome de batismo Ilicz, abrasileirado para Elias, o ator iniciou sua carreira ainda nos anos 1950, tempos da TV ao vivo, na pioneira TV Tupi. Nela atuou até seu fechamento em 1980, quando passou para a TV Bandeirantes e fez os padres O Meu Pé de Laranja-lima (1980/81) e Dona Santa (1982). Apenas dois dois muitos vigários que o ator interpretou.

Além dos muitos avós e pais postiços, bonachões que marcaram gerações. A partir de 1987, seus trabalhos na TV são todos na Globo. Entre eles, Fera Radical (1988), Sonho Meu (1993/94), Era Uma Vez… (1998), Sinhá-Moça (2006) e Passione (2010). O In Memoriam da semana relembra Elias Gleizer aqui no Observatório da TV. Confira o vídeo!

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio