Fera Radical: sucesso “rural chique” criado às pressas chega ao Globoplay

Escrita por Walther Negrão, produção de 1988 entra para o catálogo da plataforma de streaming

Publicado há um mês
Por Fábio Costa
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nesta segunda-feira (17), o Globoplay insere em seu catálogo Fera Radical, novela de Walther Negrão com direção-geral de Gonzaga Blota. É a nova aposta do projeto de resgate de novelas clássicas da TV Globo pela plataforma de streaming.

Grande sucesso da década de 1980 no horário das 18h, a novela foi criada às pressas. Implantou-se a história em seis semanas, segundo o autor, em virtude de ter sido cancelada a novela inicialmente prevista na ocasião.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Quando Fera Radical estreou, em marco de 1988, Negrão estava fora do ar havia pouco mais de seis meses: apenas Bambolê, de Daniel Más, separou o novo projeto de Direito de Amar, trabalho anterior do autor.

A trama central de Fera Radical

Malu Mader como Cláudia em Fera Radical (Divulgação/TV Globo)

A personagem principal da história é a jovem Cláudia (Malu Mader). Muito bonita e atraente, ela guarda em si um grande desejo de vingança. Quando criança, ela presenciou a terrível morte de sua família.

Adulta, retorna à pequena cidade de Rio Novo disposta a se vingar da família Flores, que considera culpada pela tragédia em virtude de disputas de terras. Assim, Cláudia se aproxima dos Flores, na posição de analista de sistemas que vai informatizar as operações da imponente Fazenda Olho D’Água, pujança da região.

O dono da Olho D’Água é Altino Flores (Paulo Goulart), cuja presença nos fatos do passado lhe renderam a prisão a uma cadeira de rodas. Justo e honesto, ele aos poucos acaba por conquistar a confiança e a amizade da jovem Cláudia. No entanto, um conflito ainda maior se instala quando ela e o filho mais velho dos Flores, Fernando (José Mayer), se apaixonam.

Isso incentiva a ira de Joana (Yara Amaral), a matriarca, contra a moça, à parte sua incômoda presença que reacende as más lembranças. Além disso, Marília (Carla Camuratti), noiva do outro filho, Heitor (Thales Pan Chacon), vê em Cláudia uma ameaça à sua posição diante de todos. Na verdade apaixonada por Fernando, Marília é filha de Donato Orsini (Elias Gleizer). Vizinho e grande amigo dos Flores, ele é dono da Fazenda Gaibu.

A filha mais velha e mais um segredo do passado

Como se não bastasse a trama que envolve a morte da família de Cláudia, os Flores guardam outros segredos. A filha mais velha de Altino é Olívia (Denise Del Vecchio). Casada com o mau-caráter Jorge Mendes (Rodrigo Santiago), ela na verdade é filha do fazendeiro com Mirtes (Laura Cardoso), seu amor da juventude, e foi criada por Joana como sua. Jorge, por sua vez, não se conforma por ter sido grande parceiro do sogro e, depois de anos, ter ocorrido sua troca por Heitor no comando das empresas. Isso o leva a sabotar os Flores de todas as formas que pode.

Mirtes, ou Marta, como prefere ser chamada a fim de afastar o passado nebuloso, retorna a Rio Novo com Cláudia. Robério (Older Cazarré), dono da pensão onde vivem diversos estudantes, é um dos detentores da verdade sobre ela e Altino. No passado, Mirtes era cafetina, e se envolveu com Altino, mais jovem do que ela.

Algumas curiosidades sobre Fera Radical

José Mayer e Malu Mader em Fera Radical (Divulgação/TV Globo)

Fera Radical foi a primeira novela tanto de Malu Mader quanto de José Mayer na condição de protagonistas. Ela já havia protagonizado, mas numa minissérie: Anos Dourados (1986). Ele vinha de uma sequência de coadjuvantes cada vez mais importantes. Dois deles foram Edson, em A Gata Comeu (1985), e o Caio de Selva de Pedra (1986).

A espinha dorsal da história foi reaproveitada por Walther Negrão de outra novela sua. Anteriormente, foi Tarcísio Meira quem chegou a uma pequena cidade do interior montado numa motocicleta disposto a vingar seu pai. Isso ocorreu em Cavalo de Aço (1973), primeira e única novela de Negrão para o horário das 20h na Globo.

A inspiração do autor em ambos os casos foi um texto teatral do suíço Friedrich Dürrenmatt: A Visita da Velha Senhora. A história inspirou também Ivani Ribeiro na criação de Os Inocentes (1974), protagonizada por Cleyde Yaconis.

Embora fosse ambientada numa cidade do interior, entre fazendeiros e peões, Fera Radical nada tinha de caipira. Ao contrário, o autor Walther Negrão desenvolveu um enredo “rural chique”, semelhante a histórias como a da série Dallas, sucesso em todo o mundo.

A própria presença da protagonista como funcionária responsável por informatizar os negócios dos Flores na fazenda demonstra isso. Fora o núcleo de universitários, que contava com Paxá (Tato Gabus Mendes) e Dudu (Luiz Maçãs), entre outros.

A atriz Yara Amaral, que apresentou um trabalho marcante como Joana Flores, faleceu pouco depois do término da novela. Na passagem de ano de 1988 para 1989, ela foi uma das vítimas do naufrágio do Bateau Mouche. Posteriormente, um Linha Direta que contou a história da tragédia teve Denise Del Vecchio, colega de Yara na novela, no papel da atriz.

As reprises de Fera Radical

Fera Radical foi reapresentada em duas ocasiões. O Vale a Pena Ver de Novo a exibiu entre dezembro de 1991 e maio de 1992, às 13h30. No Canal Viva, a novela esteve no ar de junho de 2017 e janeiro de 2018, às 14h30. Havia um horário alternativo, à 1h45min.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais