Luís Ernesto Lacombe expõe censura por parte da Band: “Sofremos”

Jornalista falou também sobre sua vida financeira

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Luís Ernesto Lacombe, ex-jornalista da TV Globo, foi convidado do canal 1Bilhão Educação Financeira para falar sobre sua vida profissional e financeira. Ao lembrar da demissão da emissora carioca, ele afirmou que foi o primeiro a ser cortado.

A gente já vivia um período de cortes, já percebíamos isso, mas ainda não tinha chegado nos apresentadores. Infelizmente, eu fui quem abriu a fila”, disse.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Após sua saída da Globo, Luís foi para a Band, onde também se desligou. “Há uma demanda reprimida por conteúdos mais liberais, mais conservadores, e jornalistas que falam com esse público. A imprensa de um modo geral é dominada pelo pensamento de esquerda“, disse.

E continuou: Não havia essa demanda, então, no programa que fui convidado a fazer eventualmente surgiu uma pauta política e nós nos posicionamos”, disse. “E teve outro acaso, que foi uma espécie de censura que sofremos na Band, e me fez sair da emissora”, contou, de acordo com o jornalista do Metrópoles, Leo Dias.

Lacombe falou sobre seus aumentos salariais. “O primeiro saltinho foi quando eu saí da reportagem da Globo e passei para apresentador da GloboNews. O segundo salto foi quando saí para ser apresentador do Esporte Espetacular. Mas o grande salto é muito recente, quando comecei a fazer merchandising, que é onde tá o dinheiro, no programa de entretenimento”, disse.

O jornalista contou que com os aumentos da remuneração, seu custo de vida também passou a subir e ele precisou se planejar melhor. Hoje em dia, se considera uma pessoa organizada. “Quanto a guardar, aprendi um erro que todo brasileiro comete. Aquele que consegue guardar alguma coisa espera terminar o mês para fazer algum investimento, e eu já entendi que não. O primeiro dinheiro que entra, tenho que guardar uma pequena parcela. Nem que seja 5% ou 10%”, finalizou.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio