Vencedora do Emmy Internacional e de temática nobre, Órfãos da Terra não é uma novela memorável

Trama se vende como a dos refugiados, mas questões do argumento ficam em segundíssimo plano

Publicado há 2 meses
Por Renan Vieira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nesta segunda-feira (23), a televisão brasileira foi mais uma vez prestigiada em nível internacional com o prêmio de Melhor Telenovela, no Emmy, para Órfãos da Terra, uma produção, como se espera, da Globo, escrita por Duca Rachid e Thelma Guedes, para o horário das 18h.

A emissora carioca é a única brasileira a ganhar a categoria. De fato, a rede tem mostrado ao mundo, desde o final da década passada, com a criação do prêmio, porque é uma das casas produtoras de novelas mais poderosas do planeta, já que faturou seis estatuetas, mais do que qualquer outra empresa.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Se nos anos 80 e 90 se dizia que as melhores novelas eram feitas nos Estúdios Globo, em Jacarepaguá, a chancela do Emmy só vem comprovar que, mesmo outros mercados tradicionais e fortes produtores de novelas, ainda não acompanham a Globo em alguns aspectos artísticos e técnicos.

Jamil (Renato Góes) e Laila (Júlia Dalavia) são os protagonistas de Órfãos da Terra

Mas Órfãos da Terra, uma trama barulhenta em termos de temática, com um terço de história bastante elogiado, comparável a produções do horário central – no caso da Globo, o das 21h30 -, é digna de ser a melhor novela do mundo?

Se em qualquer eleição o mérito do vencedor depende também da qualidade dos concorrentes, com o Emmy Internacional não é diferente. Neste ano, a trama da Globo teve que derrotar produções de Portugal, Argentina e China – três fortes e tradicionais players internacionais, produtores de dramas memoráveis.

Isso não é pouca coisa, porque o setor está cada vez mais competitivo. Os mercados passaram a produzir cada vez mais localmente e buscar histórias específicas. Além disso, o nível artístico foi elevado de maneira geral. O México, a Turquia, Portugal, Argentina, a Coreia do Sul, os Estados Unidos produzem em patamar cinematográfico.

Basma (Alice Wegman), de Órfãos da Terra (Reprodução)

Mas considerando o que Órfãos da Terra traz para esse concorrido cardápio mundial de novelas, talvez, a trama não é, de fato, daquelas que se tornam um clássico, que atravessam gerações. Para sermos honestos, no Brasil, de um modo geral, a audiência nem lembra mais da produção, que mais decepcionou do que trouxe frescor.

Apesar da premissa interessantíssima, a saga dos refugiados, focando em uma família síria, a trama de Duca Rachid e Thelma Guedes não passa de mais um dramalhão água com açúcar que usa uma temática da atualidade muito de pano de fundo. Talvez pelo horário, preferiu-se permanecer num campo seguro, fazer o feijão com arroz.

Quem esperava uma produção densa, como as turcas – que estão na moda -, por exemplo, viu, basicamente, uma vilã, com motivos discutíveis, perseguindo loucamente os mocinhos refugiados no Brasil. O que se via de estrangeiros beirava um clichê detestável, e importava mais a raiva da antagonista do que os dramas para se adaptar a um país estranho.

Diante disso, fica difícil não pensar que, apesar dos concorrentes, os jurados do Emmy Internacional, que tem a Globo como um de seus apoiadores oficiais, viram, como é de praxe, apenas um ou dois capítulos, escolhidos especialmente para a avaliação. Isso porque o trailer e a primeira semana não refletem o que é a novela.

Na publicidade internacional, Órfãos da Terra é vendida como uma história diferente da que se vê no decorrer. Nos primeiros capítulos da novela, o drama da protagonista ao ser forçada a se casar com um homem poderoso e mais velho dão uma força tremenda para novela. Mas as autoras cometem o erro crucial de matar o vilão e a trama envereda por um caminho muito menos interessante.

Toda a novela acaba virando uma pasmaceira com dramas pessoais tipicamente brasileiros, com uma porção de personagens secundários criada irritantemente para segurar a história central e não esgotar em 15 dias a fórmula repetitiva de folhetins.

Com uma temática tão universal, uma execução dentro do padrão Globo de qualidade e a força que a emissora tem para distribuir suas tramas no exterior, não foi possível fazer da novela um enorme sucesso internacional. A repercussão em mercados importantes não é considerável, apesar de ter sido muito vendida. Órfãos da Terra não está nas redes sociais, não está na imprensa.  

Aziz Abdallah (Herson Capri) e Fauze (Kaysar Dadour)

No México, por exemplo, a novela que começou sendo exibida à noite foi rebaixada de horário. Em Portugal, principal mercado externo da Globo, a novela nem foi exibida em televisão aberta. Fala-se na possibilidade de estrear nos Estados Unidos, em uma rede em língua espanhola, mas não há expectativa.

Outras produções brasileiras também vencedoras do Emmy também não marcaram época: O Astro e Joia Rara, por exemplo, não nos ofereceram notícias de recordes de audiência em nenhum lugar na Terra.

Não que necessariamente a vencedora deva ser uma explosão popular no país de origem e fora. Mas, talvez, passou do momento do Emmy assistir mais do que o trailer, dois capítulos das produções indicadas e optar por tramas menos previsíveis e enfadonhas.  

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio