De volta à RedeTV!, Millena Machado blinda vida pessoal: “Já fui ‘clonada’ pela ex do meu marido”

Âncora do RedeTV News revela perrengue ao vivo e diz como combate notícias falsas; leia entrevista

Publicado em 19/6/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Dez anos depois, Millena Machado voltou nesta semana a ocupar uma bancada de telejornal, como âncora do RedeTV News ao lado de Augusto Xavier. Em sua terceira passagem pela RedeTV!, a apresentadora se sente praticamente em casa, embora confesse ter enfrentado dificuldades na reestreia ao vivo.

Nenhum perrengue no trabalho, entretanto, se compara ao que Millena passou na vida pessoal. Em sua primeira entrevista como titular do RedeTV News, ela revela à coluna ter sido vítima de ataques virtuais de uma antiga companheira de seu marido, o empresário Eduardo Aron (ex-executivo da farmacêutica norte-americana Pfizer), com quem está casada há quatro anos. A jornalista chegou a registrar boletim de ocorrência e pediu socorro às plataformas de redes sociais para recuperar seu perfis, que haviam sido “clonados” pela ex de seu atual.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Ela fez publicações se passando por mim, postando fotos da família, falando mal de colegas de profissão. Um show de horror!”, recorda Millena, que desde então passou a “blindar” sua vida pessoal: prefere não se envolver em polêmicas e evita expor intimidades nas redes sociais.

À coluna, a jornalista ainda conta os bastidores de seu retorno à RedeTV! e a importância de sua profissão em meio a temas de importância nacional e internacional, como a pandemia, a CPI da Covid e o combate às notícias falsas. Confira abaixo:

A apresentadora Millena Machado (Flávio Santana/Divulgação)

PAULO PACHECO: Você tem experiência em telejornais, mas há 10 anos não trabalhava como âncora. Nestes primeiros dias de volta à função, sentiu diferença ou dificuldade para ocupar a bancada ou apresentar telejornal é como andar de bicicleta, nunca se esquece?

MILLENA MACHADO: Exatamente isso, no meu caso eu realmente não me esqueci de como se apresenta notícia na TV, não (risos). Inclusive apenas treinei na tarde de segunda-feira lendo algumas laudas e já estreei no mesmo dia! Mas tive o amparo incondicional do meu parceiro experiente de bancada, Augusto Xavier, que me salvou várias vezes! Um detalhe ainda preciso dominar: a passagem do TP [teleprompter]. Na RedeTV!, o apresentador passa o texto que lê na câmera usando um pequeno controle remoto. São quatro botões: um para cima, para passar o texto; um para baixo, para voltar o texto; para o lado direito, para ir à próxima notícia; e para o lado esquerdo, para voltar à notícia anterior. Apertei para ler e o texto disparou! Então, o Augusto pausou o TP e colocou o texto no lugar para mim. Em outro momento, mudei de lauda enquanto ele estava falando. Desesperador! Ainda usei o botão errado quando foi a minha vez de chamar uma notícia, apertei para voltar quando era para seguir. Gente! Pensa no desafio de ler, interpretar com gestos e expressões o que está falando e ainda passar o texto no controle. Muita coisa ao mesmo tempo (risos). Experimente você, tente fazer! O melhor é que Augusto foi tão atento e discreto que não tiramos o foco da notícia em nenhum momento, ninguém percebeu nada dessa confusão! E eu vou tirar isso de letra, me dê uns dias, você vai ver.

PP: Na última década, você se dedicou a projetos fora do chamado “hard news”, como o programa Auto Esporte (Globo), palestras, cursos e eventos corporativos. Você sentia falta de trabalhar com jornalismo diário?

MM: Você não imagina a vontade que eu tinha de trabalhar ao vivo novamente. Não importasse fazendo o quê: esporte, entretenimento, jornalismo, evento corporativo, live institucional… Estar ao vivo é o meu grande lance na área da comunicação. Você olha para minha carreira e percebe o quanto eu gosto de desafios e faço uma coisa diferente da outra. Eu estava com a cabeça na internet, criando meu podcast em parceria com a rádio Antena 1. Chama-se Lado Pessoal, em que só converso com executivos CEO level [presidentes de empresas], e eles compartilham uma porção de lições de vida. É um conteúdo muito inspirador e que está conquistando mais fãs a cada dia! Quando gravei o piloto [teste], ano passado, meu coração bateu forte, na hora eu percebi que estava com saudade, além do ao vivo, de fazer telejornal.

PP: Por que quis voltar para o telejornalismo na RedeTV!?

MM: Minha ida para o jornalismo tem a ver com o Franz Vacek, superintendente de jornalismo, esportes e digital da RedeTV!. Nós já acompanhávamos o trabalho um do outro à distância há um bom tempo. Assim que saí do Auto Esporte, fui conhecê-lo pessoalmente, alguns sites até apostaram que essa minha visita era objetivo de uma contratação, mas foi só um café mesmo. Aí veio a pandemia. Na época do Festival de Prêmios, surgiu uma vaga na bancada do principal telejornal da casa. Franz me convidou para um piloto, foi muito delicado e elegante comigo, disse que não tinha dúvidas da minha capacidade como âncora, mas como fazia anos que eu não apresentava telejornal o piloto seria necessário até para eu ver se meu coração bateria forte de novo na bancada. E bateu! Mas a decisão sobre a nova âncora do RedeTV News envolvia muitas variáveis, inclusive uma grande concorrência: boas profissionais de dentro e fora da emissora. Segundo ele mesmo disse em comunicado aberto à imprensa, foi minha versatilidade profissional que determinou a escolha da emissora por mim. O fato de eu ter construído uma carreira diversificada, com passagens no jornalismo, no esporte a motor e no entretenimento, agregou ferramentas distintas, grandes experiências que adquiri por ter tido visão e coragem de “sair da caixa”, como dizem os apaixonados por inovação, e essa pluralidade vai ser essencial para a ancoragem das novidades que estão por vir.

PP: Em meio a crises na política, na economia e na saúde pública decorrentes da pandemia de coronavírus, ancorar um telejornal é ainda mais desafiador?

MM: Nós, jornalistas brasileiros, estamos cada vez mais conscientes do nosso papel informativo social e mais unidos em busca da informação verdadeira e relevante. Trabalhamos diariamente para esclarecer dados.

PP: Como você se mantém informada para combater as notícias falsas?

MM: Quando uma fake news de fato acontece, ou seja, um site que não é jornalístico publica informações inverídicas usando texto em formato de notícia com o único objetivo de iludir e enganar o leitor e isso viraliza, a gente encaminha entre nós, apura na redação, acessa empresas especializadas em checagem de notícias, conversa diretamente com o envolvido ou citado, discute internamente o que fazer e como fazer antes de publicar qualquer coisa, justamente para não crucificar inocentes nem empoderar falsificadores. Ter acesso às fontes é essencial ao trabalho jornalístico. Eu prezo por isso.

PP: Ainda falando em notícias falsas, você, como pessoa pública, já foi vítima de fake news e ataques virtuais? De que forma esta desinformação afeta sua vida particular?

MM: Algumas vezes, infelizmente, e embora eu sempre tenha calma e equilíbrio emocional para sair de todas as situações claro que, antes de reagir, eu fico chateada, nervosa e desapontada. Meu perfil nas mídias sociais tem “real” no final (@millenamachadoreal), exatamente por já ter sido vítima de ataques virtuais. Tive de acrescentar essa palavra depois de ter sido “clonada”. Na época, uma ex-namorada do meu marido fez publicações se passando por mim, postando fotos da família, falando mal de colegas de profissão. Um show de horror! Mas ela foi passional demais, se adiantou e meteu os pés pelas mãos, eu nem tinha conhecido a família dele nem encontrado minhas enteadas, inclusive nunca tinha tido acesso às imagens que ela publicou, então ficou fácil provar que o perfil era falso. Fiz boletim de ocorrência, contatei Facebook, Instagram e Twitter, que prontamente me receberam pessoalmente em suas sedes, apagaram as contas, identificaram a autoria e verificaram todas as minhas contas reais. Pronto, agora meus seguidores sabem quais contas são verdadeiramente minhas.

PP: Esta é sua terceira passagem pela RedeTV!, após trabalhar com Clodovil Hernandes (1937-2009) no programa A Casa É Sua e apresentar o Festival de Prêmios…

MM: Todos os meus momentos na RedeTV!, como em todas as emissoras em que passei até hoje, sempre foram fruto de muito trabalho e ocorreram naturalmente. Toda vez entro e saio pela porta da frente, graças a Deus. Acho importante falar isso para encorajar as pessoas a buscarem o que elas sonham. Não acho justo deixar o público pensando que tenho sorte, que sou a preferida, que fui indicada para tal cargo. Fiz cinco testes de vídeo até ser aprovada para a Band News. Ancorei coberturas históricas, como primeira posse do [Barack] Obama [ex-presidente dos Estados Unidos], a ida do astronauta brasileiro Marcos Pontes ao espaço, a queda de avião em Congonhas e a vinda do Papa Bento 16 ao Brasil, antes de ser promovida para a Band na TV aberta. Elaborei 15 materiais de vídeo para o Grupo Globo até ser chamada para o Auto Esporte.

PP: E como entrou na RedeTV!?

Em 2004 eu estava na calçada da antiga sede da RedeTV!, recém-formada, com uma fita VHS e um currículo impresso em mãos, aguardando alguém ter a boa vontade de passar pela portaria, pegar meu material e assistir. Acompanhada do amigo Ricardo Martins, levou quase 1 hora para isso acontecer, ficamos em pé quase que à espera de um milagre. E aconteceu. Robertinho Martins, na época, era produtor do programa A Casa É Sua, que o famoso estilista Clodovil Hernandes apresentava, foi gentil e pegou meu material, assistiu e mostrou para a diretora do programa, Ligia Cilli, e para o Clodovil. Fiz reportagem-teste, todos gostaram, entrei para o programa e a emissora. Quinze anos depois, tive a oportunidade de apresentar o Festival de Prêmios, a convite do Kaká Marques, diretor de produção da RedeTV!, que tinha me conhecido um ano antes, quando eu estive no programa Sensacional, da Daniela Albuquerque, para divulgar a SAS (Semana da Acessibilidade Surda), evento que eu realizo anualmente para promover a inclusão e a acessibilidade surda. Daniela também me recebeu super bem, abraçou a causa surda, se interessou bastante pelo tema, fez várias perguntas. Foi incrível ter ido ao programa dela, não vejo a hora de voltar.

PP: Como é sua relação com os sócios da emissora, Amílcare Dallevo e Marcelo de Carvalho?

MM: Conheci Marcelo de Carvalho pessoalmente apenas ano passado, quando participei do Mega Senha com meu colega no Festival de Prêmios, Mauricio Mendes. Marcelo foi muito simpático com a gente, como todo bom anfitrião deve ser. Até comentei no ar que o programa que é super divertido, a gente não quer ir embora do palco (risos). Amilcare Dallevo ainda não conheci pessoalmente, espero um dia ter essa oportunidade.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio