Emily em Paris é uma Vivi Guedes que fala inglês

Estrela do seriado da Netflix é fera nas redes sociais tal como a personagem de Paolla Oliveira em A Dona do Pedaço

Publicado há um mês
Por Edianez Parente
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Está todo mundo comentando sobre Emily em Paris, o atual hit da Netflix, toda semana listada entre as dez séries mais assistidas na plataforma. As aventuras da jovem executiva norte-americana de marketing que vai trabalhar na França sem o domínio da língua francesa reúnem uma trama leve, a linda paisagem parisiense e um figurino de grifes de dar inveja à mulherada.

A personagem Emily Cooper, em si, é divertida, mas sua trajetória é tão superficial e fantástica quanto a da influenciadora digital Vivi Guedes, interpretada por Paolla Oliveira na última novela de Walcyr Carrasco, A Dona do Pedaço (2019).

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ambas buscam sempre abastecer com lindas fotos seus “seguimores” (como dizia Vivi Guedes). Obviamente, a protagonista do seriado, Lily Collins, carece da beleza e porte estonteantes da brasileira Paolla.

A atriz principal de Emily em Paris é também produtora da série, em seu papel de maior repercussão da carreira até aqui. Nascida na Inglaterra, Lily Collins é filha de Phil Collins, baterista e vocalista da banda de rock progressivo Genesis, que embalou sucessos desde o fim da década de 1960 até os anos 1990. O músico depois seguiu carreira solo, também de sucesso.

Lily Collins ganhou com o papel exposição e fama mundiais. O chefão de produção da Netflix, Ted Sarandos, falou recentemente durante uma live na feira Mipcom sentado à frente de um cartaz da série, e destacou o sucesso que Emily em Paris está fazendo na plataforma no mundo todo.

Uma pós-adolescente

O criador do seriado, Darren Starr, foi quem inventou outro sucesso do gênero “mulher independente fashionista busca romance com homens maravilhosos”: Sex And The City (1998-2004). A série hoje não sobrevive mais a tantos clichês de quatro amigas na faixa dos 30-40 anos numa busca incansável por amores e sapatos em Nova York.

Emily representa uma geração mais jovem do que aquelas quatro amigas de Nova York; ela é praticamente uma pós-adolescente (embora a atriz já tenha passado dos 30 anos), deslumbrada com Paris e com seus seguidoes nas redes sociais.

Em comum com a personagem Vivi Guedes da novela da Globo, Emily usa suas postagens para atrair mais seguidores e também conseguir avanços profissionais e agradar clientes do seu trabalho em Paris.

É bem provável que estudantes de cursos de marketing e de publicidade passem a discutir o tema da série na sala de aula. Algumas frases, técnicas e estratégias de marketing de Emily e dos seus colegas de escritório são bem comuns no mundo empresarial voltado a artigos de luxo.

Paris é uma festa

O cenário parisiense em bela direção de fotografia é um colírio para os olhos de quem assiste  – muito embora a linda cidade que se vê na tela seja pouco representativa do que ocorre hoje em dia nas suas ruas.

Na tela, a cidade está sempre limpa, sem pedintes nem moradores de rua, não há conflitos dos imigrantes e nem se percebe o choque de culturas e religiões que tomou conta da cena francesa.

Infelizmente, atentados terroristas de cunho religioso estão há tempos tirando a paz dos franceses. Isso sem falar no grande número de conflitos entre polícia e manifestantes durante greves.

A Emily do título e da série está sempre impecavelmente vestida, com as melhores roupas, andando pelas ruas da cidade com saltos altos e finos impossíveis de serem levados numa mala de viagem de quem anda a pé pela cidade.

Paris é uma cidade planejada, cheia de bulevares no centro, praças e parques, tudo pensado para passeios e caminhadas e toda interligada por trem e metrô. Esse foi o plano de seu idealizador, o Barão Haussmann, lá no século 19.

Poetas como Charles Baudelaire celebraram em sua obra o prazer que é passear por Paris, eternizando a figura do flâneur, o andarilho urbano. No entanto, para vivenciar, é preciso descer do salto alto!

Mitos e clichês

A vida de Emily é tão cercada de clichês que sua melhor amiga é uma milionária chinesa que, deserdada pelo pai, trabalha como babá em Paris cuidando de crianças e andando de salto alto pelas praças. Seu vizinho é lindo, prestativo e ainda é um excelente chef de cozinha.

Os colegas de escritório da mocinha são tipos caricatos – com direito a uma odiosa e elegante chefe madura amante do cliente. Emily é tão boa no que faz que até a primeira-dama da França curte e compartilha um post criado por ela sobre um produto, imagine só!

Muitos franceses vêm reclamando na imprensa internacional sobre a falsa impressão que o seriado passa sobre o país e seus habitantes – há referências sobre não gostarem de falar inglês, fumarem muito, trabalharem pouco, serem mulherengos, morarem em apartamentos antigos etc.

Outros, no entanto, acham importante o apelo que o seriado tem junto ao público jovem. Pensam nas vantagens de atrair novos turistas à França quando os problemas do coronavírus forem superados e o turismo internacional for retomado.

Emily tem, tal como Vivi Guedes, uma vida de glamour, mas tenta passar o recado de ser gente como a gente – talvez por isso a série esteja indo bem em diversos países.

Seu ar de garota possível – os americanos classificam como the girl next door, ou uma garota comum -, que poderia facilmente ser sua amiga ou vizinha, é certamente um dos motivos de empatia com a série.

A própria Netflix tem no seu catálogo outras atrações que retratam de uma forma mais realista um pouco do universo das jovens e mulheres na França. Como o filme Lindinhas (Mignonnes), Divines e A Prima Sofia – todos estreladas por atrizes francesas.

Vale a pena ver de novo?

Lembremos que a Vivi Guedes de Walcyr Carrasco era rica também, filha adotiva, tinha uma fiel escudeira elegante, Kim (vivida por Monica Iozzi), e sua vida era cercada por futilidades e uma irmã invejosa.

A personagem de Paolla Oliveira, com seus looks fantásticos, fez o maior sucesso dentro e fora da Globo, estrelou até campanhas publicitárias e tinha perfil próprio no Instagram.

Agora que a emissora está exportando a novela, os telespectadores de outros países vão poder ver a digital influencer brasileira em versão gringa da novela A Dona do Pedaço: Dulce Ambición (em espanhol) ou Sweet Diva (em inglês).

Já a Vivi Guedes de Paolla Oliveira está fora do ar no Brasil no momento. Fica a dica para a Globoplay ou o Viva em algum momento trazerem de volta a digital influencer com cara de Brasil para fazer frente a Emily, que certamente voltará numa segunda temporada da série.   

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio