O Canto Livre de Nara Leão: nova série mostra várias facetas da cantora

A artista, que morreu em 1989, completaria 80 anos no dia 19 de janeiro

Publicado em 09/01/2022 08:53
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nara Leão, fundamental para a bossa nova, revolucionou a música brasileira com o show-manifesto Opinião. Foi ela, por exemplo, que revelou Chico Buarque e, junto a ele, brilhou em diversos festivais cantando A Banda.

Além do legado, Nara rompeu preconceitos na música brasileira, comprou brigas, confrontou a ditadura militar, abriu novos caminhos para as mulheres de sua geração. Tudo isso sem alterar o tom de voz.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Agora, a trajetória da artista, que morreu aos 47 anos em 1989 devido a um tumor cerebral, poderá ser conferida na série documental original Globoplay O Canto Livre de Nara Leão, que estreou na plataforma na última sexta-feira (7).

Dirigida por Renato Terra e produzida pelo Conversa.doc, o projeto entrevista pessoas que conviveram com a artista e traz uma enorme pesquisa de imagens, fotos e arquivos – muitos inéditos. No dia 19 de janeiro, ela completaria 80 anos.

“Nara foi uma cantora brilhante. Mas sua importância não se resume à música. Suas entrevistas, muitas vezes, pautavam as conversas em todo país. Ela confrontava os críticos que queriam rotular e limitar o seu trabalho. Com inteligência e delicadeza, Nara sempre fez o que quis na sua arte e na sua vida pessoal. Na maneira de vestir, de contestar, de falar, de se impor. Quis trazer esse jeito suave e contundente da Nara para ajudar a contar essa história”, observa Renato Terra, diretor do documentário.

Cinco episódios

Dividida em cinco episódios, a série mostra as diversas fases de Nara Leão, na música e na vida íntima. Conta com depoimentos de Chico Buarque, Roberto Menescal, Paulinho da Viola, Maria Bethânia, Edu Lobo, Dori Caymmi, Marieta Severo, Fagner e muitos outros. Casado com Nara durante muitos anos, Cacá Diegues deu um íntimo depoimento sobre sua relação. Filha do casal, Isabel Diegues também participa – com seu depoimento e como consultora do documentário. E aos 19 anos, José Bial, neto da cantora, também colabora no projeto, como produtor de conteúdo.

“Esse projeto traz várias facetas da Nara, apresentadas de uma forma original, não cronológica. Uma espécie de viagem emocional-musical pela história dela. Cada episódio é como se fosse um filme diferente sobre essa mesma pessoa. E o mais fascinante é conseguir falar de um grande, importante e criativo período da música brasileira através de uma única personalidade”, analisa a montadora do projeto, Jordana Berg.

Os episódios contam com imagens de acervos variados, entre materiais raros e alguns inéditos, como arquivos da ditadura que foram descobertos recentemente. Entrevistas que Nara deu ao longo da carreira, números e encontros musicais, shows, filmes e fotos de reuniões em seu apartamento fazem parte do conteúdo que conta a história da mulher e artista potente que foi Nara Leão. O projeto ainda resgata o rico acervo do especial Por Toda A Minha Vida, exibido em 2007 na Globo.

O primeiro episódio mostra as origens da bossa nova em meio ao círculo de amizade que se formou na Zona Sul do Rio de Janeiro e que, mais tarde, se transformaria em um gênero de influência mundial. Com uma abordagem original, revela o que acontecia no famoso apartamento de Nara em Copacabana.

Intenso e forte, o segundo episódio apresenta uma Nara que já não tem nada de bossa nova. É quando ela começa a desenvolver sua consciência política e a dar voz a composições de sambistas como Zé Keti, Cartola e Nelson Cavaquinho. O episódio também traz o show “Opinião”, a primeira resposta artística à ditadura militar instituída em 1964, que, posteriormente, inspirou músicas de protesto.

A parceria de Nara com Chico Buarque e sua importância crucial nas carreiras de Edu Lobo, Sidney Miller, Fagner e Dominguinhos é tema do terceiro capítulo. Já no quarto episódio, aparece a Nara transgressora, que rompe barreiras. Ela participa da Tropicália, rompe preconceitos ao gravar um disco com músicas de Roberto Carlos e Erasmo Carlos. Marieta Severo dá um emocionante depoimento sobre a importância de Nara para as mulheres de sua geração.

O quinto e último episódio fala sobre afetos. O recorte conta com a entrevista de Cacá Diegues, que se casou com Nara; Roberto Menescal, seu amigo da vida inteira; e a filha Isabel. Nessa parte do documentário, é possível observar as pessoas falando de Nara na intimidade: a mãe, a esposa e a amiga que foi.

Leia outros textos da colunista AQUI.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio