Crítica

Mulher-Hulk: Defensora de Heróis continua deixando a peteca cair

Análise do sexto episódio da série da Marvel Studios para a Disney+.

Publicado em 22/09/2022

Em ‘Apenas Jen’, o mais recente capítulo de Mulher-Hulk: Defensora de Heróis, foram mantidos os padrões baixos vistos no episódio antecessor, ‘Malvadinha, Verdinha e de Calça Apertadinha’.

Houve uma leve melhora, especialmente por Tatiana Maslany, que permanece como o maior trunfo até aqui. Contudo, está fatigando tal proposta de abordar o universo feminino de modo tão superficial.

Lembrando que não era assim no começo, como por exemplo, o segundo capítulo intitulado ‘Direito Super-Humano’. Todavia, agora, toda essa exploração a respeito da realidade social das mulheres tem batido na trave.

Não necessariamente pelos assuntos e temáticas, mas essencialmente pelo fraco desempenho em como avaliar alguns destes tópicos.

Menos graça, menos reflexão

Muito disso acontece pela escrita (roteiro) desta produção da Disney+, que especificamente deixou a peteca cair no quesito ‘comédia reflexiva’ pelas duas últimas entradas, distanciando-se do hilário visto em ‘Não é Magia de Verdade?’

Neste aqui, busca-se comentar e criticar o quanto as pessoas dão importância ao conceito de estar em um relacionamento amoroso como uma medida de sucesso na vida, ou seja, aqueles que estão solteiros(as) falharam e continuam falhando em algum aspecto.

Teria sido eficaz, caso tivesse caprichado um pouco mais na qualidade do texto, e acima de tudo, não tivesse adicionado um personagem masculino com a necessidade de levantar a moral da ‘Apenas Jen’.

© 2024 Observatório da TV | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade