Filhos da Pátria tem lançamento em importante cenário do momento da transição histórica do Brasil

Publicado há um ano
Por Muka Oliveira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na manhã de segunda-feira (23), uma das principais locações externas da segunda temporada de Filhos da Pátria, da TV Globo, o Palácio do Catete foi cenário também para o evento de lançamento da série de TV. A obra estreia dia 8 de outubro na TV Globo.

Para a imprensa, a ação começou com uma visita guiada pelo Museu da República, seguida pela apresentação do primeiro episódio desta temporada. O local, um monumento de grande importância histórica, arquitetônica e artística, erguido no Rio de Janeiro quando a cidade era Capital Imperial tornou-se, na época, símbolo de poder econômico e palco de intensas articulações políticas. 

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Símbolo
do Passado

No período em que a história de Filhos da Pátria é contada, o Palácio Catete era a sede do Governo Federal. “A gente sabe como locações como essa, principalmente numa obra de época, influenciam no resultado artístico”, fala Felipe Joffily, diretor artístico da série. O autor Bruno Mazzeo complementa, destacando o conceito da obra: “Filhos da Pátria fala sobre o cotidiano daquele período, do dia-a-dia de pessoas comuns que viveram na década de 1930. E, mesmo neste contexto de época, falamos de temas atuais. Nossa intenção é contar uma história dentro da História, sem interferir nela”, diz o autor da obra. 

Evento de Lançamento de Filhos da Pátria (Foto: TV Globo/Estevam Avellar)

Segunda
Temporada

Nesta temporada, a família Bulhosa desembarca em 1930, com as tropas de Getúlio Vargas tomando o poder. Mesmo um século à frente – e não se trata de uma passagem de tempo – os personagens mantêm suas personalidades e excentricidades. Para Fernanda Torres, que interpreta Maria Teresa, “O humor é uma excelente maneira para que diálogos sejam abertos. ‘Filhos da Pátria’ nos dá a possibilidade de fazer algumas reflexões sobre nós mesmos”, analisa a atriz. Johnny Massaro, seu filho na trama, concorda. “O público pode esperar uma obra divertida, que vai nos fazer, através do riso, pensar”.

Matheus Nachtergaele, que vive Pacheco, completa: “O Bruno (Mazzeo) faz, em seu trabalho, uma comédia dos maus costumes. Nesta temporada, Pacheco está se aprimorando nessa função política”, detalha o ator. Também sobre seu personagem, Alexandre Nero diz: “O Geraldo acha que nada vai acontecer com ele, já que está ao lado de poderosos, cumprindo ordens”. Sobre Catarina, Lara Tremouroux, que interpreta a jovem filha dos Bulhosa, constata: “Ela é à frente do seu tempo e não se cala. Conhece seus direitos e sabe se colocar”, afirma.

Mudança no País

Também disposta a brigar por seus direitos, Lucélia, interpretada por Jessica Ellen, fala sobre a mudança de sua personagem nesta temporada. “Muita coisa mudou para ela, que agora é a empregada doméstica da família e exige o que lhe é de direito. A série, nesta segunda temporada, tem esse papo ainda mais direto, que ilumina e amplifica temas tão importantes”.  

 Filhos da Pátria, é uma série
escrita e criada por Bruno Mazzeo, com direção artística de Felipe Joffily e
direção geral de Henrique Sauer, que estreia na Globo no dia 08 de
outubro. 

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais