Eliane Giardini entrega como gostaria que fosse o final de Nádia e Gustavo

Publicado há 3 anos
Por Guilherme Rodrigues
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No ar como a Nádia de O Outro Lado do Paraíso, Eliane Giardini contou que no início da trama das 21h de Walcyr Carrasco, o público reagia fortemente ao preconceito que a personagem tinha contra Raquel (Erika Januza).

“O que achei muito bom. Admirei também a capacidade do público de separar a artista da personagem. Tive grandes declarações de amor e ódio nas redes sociais”, afirmou a estrela ao Gshow, avaliando que a mãe de Bruno (Caio Paduan) teve uma trajetória de crescimento.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Atores de O Outro Lado do Paraíso homenageiam Eliane Giardini no Domingão do Faustão

“Adquiriu uma consciência nova a respeito de vários conceitos e preconceitos. Fez uma curva em direção ao outro, ao diferente e conseguiu através do amor pelo neto, acessar alguns níveis mais amorosos e inclusivos”, disse a atriz.

A artista contou que as cenas de Nádia destilando racismo contra Raquel foram as mais difíceis de serem realizadas. “A cena onde a despedi acredito que tenha sido uma das mais espinhosas de minha carreira”, refletiu Eliane, que ainda entregou como gostaria que fosse o final da vilã e do marido, Gustavo (Luis Melo).

No Domingão do Faustão, Eliane Giardini opina sobre intervenções militares no Rio: “Nunca resolveram nada”

“Eu imaginava ela e o marido em Bangu 8, presos por tanta corrupção. Mas os dois são bastante divertidos juntos. E apesar de serem tortos e com falhas de caráter, encontraram uma redenção na família”, concluiu Giardini.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio