Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Cena célebre

Beth Goulart homenageia a mãe, Nicette Bruno, após fim de A Vida da Gente: “Valor da eternidade”

A atriz se emocionou com a sequência do último capítulo

Publicado em 07/08/2021
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

A atriz Beth Goulart, assim como o público, se emocionou com as cenas em que sua mãe, Nicette Bruno, discursou no final de A Vida da Gente, da Globo, nesta sexta-feira (6). Em homenagem, ela postou o vídeo com a sequência icônica em que veterana, falecida em 2020 em decorrência do coronavírus, aparece e fecha com chave de ouro a trama de Lícia Manzo.

“O tempo é o grande sábio da existência, ele conhece a beleza das transformações, ele conhece às necessidades de cada um, de cada movimento, de cada fase. O tempo vem a favor de quem o respeita, de quem o reconhece e agradece seu ensinamento. O tempo é fundamental para a compreensão da vida. Meu amor ao tempo e a tudo o que ele representa. Só o amor ultrapassa seus limites, com amor aprendemos o valor da eternidade”, escreveu Beth na legenda do vídeo, postando em seu Instagram pouco tempo depois da novela acabar.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

O texto proferido por Iná, papel de Nicette, no último capítulo, exalta a maturidade e a experiência, adquiridas por quem já viveu bastante. É um brinde à melhor idade que a autora escolheu fazer, e que deu bastante certo, uma vez que a veterana interpreta com maestria, emocionando o público tanto na primeira vez em que a trama foi exibida, em 2011, quanto agora, 10 anos depois.

Confira a postagem feita por Beth Goulart:

A cena

“Quem teve o privilégio de viver muito, sabe que o tempo é um mestre muito caprichoso. Às vezes sua lições são tão repentinas que quase nos afogam.

Outras vezes elas se depositam devagar como conta gotas diante da avidez de nossas perguntas. e por isso, quem teve o privilégio de viver muito tempo, como tantos amigos aqui do nosso bairro, aprende olhar com serenidade o turbilhão da vida.

Amores ardentes instiguem, urgências se acalmam, passos ágeis ralentam, enfim, tudo muda, muda o amor, mudam as pessoas, mudam a família.

Só o tempo permanece do mesmo modo, sempre passando. E é por isso que eu queira esta noite erguer um bride a ele, que esculpiu no meu rosto e na minha alma a sua marca, da qual eu tanto me orgulho, então, ao tempo!

Confira o comentário do colunista Cadu Safner sobre o texto de Lícia Manzo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....