Beth Goulart homenageia a mãe, Nicette Bruno, após fim de A Vida da Gente: “Valor da eternidade”

A atriz se emocionou com a sequência do último capítulo

Publicado em 7/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A atriz Beth Goulart, assim como o público, se emocionou com as cenas em que sua mãe, Nicette Bruno, discursou no final de A Vida da Gente, da Globo, nesta sexta-feira (6). Em homenagem, ela postou o vídeo com a sequência icônica em que veterana, falecida em 2020 em decorrência do coronavírus, aparece e fecha com chave de ouro a trama de Lícia Manzo.

“O tempo é o grande sábio da existência, ele conhece a beleza das transformações, ele conhece às necessidades de cada um, de cada movimento, de cada fase. O tempo vem a favor de quem o respeita, de quem o reconhece e agradece seu ensinamento. O tempo é fundamental para a compreensão da vida. Meu amor ao tempo e a tudo o que ele representa. Só o amor ultrapassa seus limites, com amor aprendemos o valor da eternidade”, escreveu Beth na legenda do vídeo, postando em seu Instagram pouco tempo depois da novela acabar.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O texto proferido por Iná, papel de Nicette, no último capítulo, exalta a maturidade e a experiência, adquiridas por quem já viveu bastante. É um brinde à melhor idade que a autora escolheu fazer, e que deu bastante certo, uma vez que a veterana interpreta com maestria, emocionando o público tanto na primeira vez em que a trama foi exibida, em 2011, quanto agora, 10 anos depois.

Confira a postagem feita por Beth Goulart:

A cena

“Quem teve o privilégio de viver muito, sabe que o tempo é um mestre muito caprichoso. Às vezes sua lições são tão repentinas que quase nos afogam.

Outras vezes elas se depositam devagar como conta gotas diante da avidez de nossas perguntas. e por isso, quem teve o privilégio de viver muito tempo, como tantos amigos aqui do nosso bairro, aprende olhar com serenidade o turbilhão da vida.

Amores ardentes instiguem, urgências se acalmam, passos ágeis ralentam, enfim, tudo muda, muda o amor, mudam as pessoas, mudam a família.

Só o tempo permanece do mesmo modo, sempre passando. E é por isso que eu queira esta noite erguer um bride a ele, que esculpiu no meu rosto e na minha alma a sua marca, da qual eu tanto me orgulho, então, ao tempo!

Confira o comentário do colunista Cadu Safner sobre o texto de Lícia Manzo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio