Marina Moschen dá detalhes sobre sua personagem, a guerreira Selena em Deus Salve o Rei

Publicado em 17/12/2017

Depois de viver a patricinha Yasmin em Rock Story, Marina Moschen está de volta na pele da destemida Selena em Deus Salve o Rei, próxima novela das 19h. Na história, a moça, única mulher da trama a usar calças, entrará na escola militar do reino e será excelente guerreira, ficando dividida entre o amor de dois colegas lutadores. A atriz conversou com nossa reportagem e contou detalhes de sua personagem, e como tem sido a preparação para fazer parte de uma novela tão diferente em termos de produção:

Leia também: Marcela Fetter comemora novo trabalho na TV em minissérie

Pode falar um pouco da Selena?

Ela é uma guerreira, a primeira mulher a entrar na academia militar, tem 20 anos. Ela tem um dom, isso eu ainda não contei para ninguém, ela tem um dom, que pode ser uma coisa boa ou ruim, que os sentimentos dela refletem na natureza. Então assim, se ela está triste, começa a chover, se ela está apaixonada, nasce flores no chão, quando está com raiva, treme o chão. É uma história bem bacana. Eu já gravei umas cenas disso e gostei bastante.

Como foi a preparação para essa personagem? Como ela é uma guerreira, deve ter sido uma coisa bem especial, né?

Eu fiz preparação de arco e flecha, de luta com espada, de luta corporal, de escalada. O corpo fica um pouco dolorido.

E durante essa preparação teve aconteceu alguma coisa engraçada?

Na aula de equitação teve. Eu tenho um pouquinho de medo de andar a cavalo, então, eu fico meio dura em cima e o pessoal tira sarro, um monte de brincadeira. É muito legal, eu me divirto muito.

Você saiu de uma personagem muito intensa e atual. Como foi embarcar nessa era medieval?

Eu gosto muito! Em Malhação, eu fiz uma mocinha, em Rock Story, eu fiz a patricinha, que era completamente diferente de Malhação, agora eu estou tento a oportunidade de fazer a Selena, que é uma guerreira medieval. Eu acho muito legal quando você tem a oportunidade de virar essa chave e fazer cada hora uma coisa diferente. É bom porque você esquece tudo que você fez, para poder embarcar em uma história nova.

A Selena é um pouco parecida com a Merida, da Disney?

É um pouco diferente. Por exemplo, eu assisti Game of Thrones, para ver a Arya Stark, por ser guerreira. Mas a história é diferente, cada uma tem uma base, um contexto. A gente pega um pouquinho de cada um e une para a personagem. Tem também a Joana d’Arc, que me deram como referência aqui na novela.

E como é o figurino da personagem? 

Tem muito couro na roupa, até porque ela é guerreira. Acho que é a única mulher que chega a usar calça para poder estar na academia militar. Ela é muito diferente, porque é a primeira pessoa que faz isso. De certa forma, ela corre atrás para mostrar que é capaz sim, e as pessoas também vão começar a admirá-la por isso, então, ela transforma um pouco a cabeça das pessoas que estão ao redor dela.

Juntando figurino e maquiagem, quanto tempo você leva para ficar pronta para a personagem?

Uma hora. Eu coloco cabelão até a cintura.

Você tem uma carreira curta, mas é bem elogiosa. Como é para você administrar isso tudo? Pensa em tirar férias ou se vier outro convite você embarca?

Não penso em tirar férias não, por enquanto não. Acho que estou na fase de trabalhar mesmo. Como você falou, eu estou bem no início, estou muito feliz de estar trabalhando e tendo oportunidade de fazer esses personagens, de estar trabalhando com equipes diferentes. Isso me faz crescer muito e não quero parar por agora.

Como é trazer essas questões tão atuais da força da mulher, embalado no movimento feminista, dentro de uma história medieval? 

A Selena age muito com a intuição dela. Então, eu acho que não tem muito essa consciência de que ela está realmente revolucionando algo. Ela quer fazer aquilo, porque acha que é capaz, ela acha que não tem que haver essa diferença. Ela quer ir para academia militar e lutar na guerra, independente de ser mulher ou não. A parte legal é isso, que inspira as outras meninas hoje em dia, e me inspira em várias coisas, porque me abre um olhar sobre várias coisas.

Você acredita que a sua personagem veio em um momento importante para essa pauta do empoderamento feminino?

Com toda certeza. Como eu estava falando, acho que como é um assunto que hoje em dia está bem aflorado, graças a Deus que as mulheres estão se unindo e falando sobre isso, assistindo a novela, elas vão pensar e falar muito mais, as pessoas vão se inspirar e se identificar muito com ela também.

A Selena vai ter um par romântico na trama?

Ela vai viver  um triângulo amoroso com o Ulisses (Giovanni Di Lorenzo) e o Saulo (João Vithor Oliveira). É bem legal, e incrível, porque os dois atores também são maravilhosos. As duas relações são muito legais, já me perguntaram para qual eu torço, mas eu não sei, porque gosto das duas relações. O Saulo é um aluno da academia militar, e o Ulisses, também está na academia, mas ele não quer estar lá, ele quer estar na cozinha, ao contrário dela. Então, ela tem esses dois encontros: o que ela entende por passar pela mesma situação que ela, de estar no lugar que não quer. E o outro, que eu acho que ela admira porque é um aluno incrível e forte, e que de certa forma ela sente atração.

O seu namorado acompanha sempre os seus trabalhos e se sente orgulhoso da sua trajetória?

Sim, ele assiste tudo. Eu peço para ele assistir e dar um retorno. Todo mundo da minha família eu peço para assistir os meus trabalhos.

Deus Salve o Rei
Selena (Marina Moschen) (Divulgação/ TV Globo)

Ele está gostando da personagem Selena? Por que ele ainda não viu as cenas concluídas, né?

Sim! Ele adorou Malhação, Rock Story também, e quando eu contei sobre a Selena, de Deus Salve o Rei,  foi incrível.

Você tem essa personalidade forte como a da personagem?

Em alguns momentos a gente sempre se questiona sobre o que fazer, e eu acho que ela tem me inspirado muito a ir realmente atrás do que eu quero. É uma personagem que me faz abrir muito o olhar e, principalmente, nesse momento que a gente está passando. É legal porque uma mulher alerta a outra sobre várias situações. Então, eu acho que o que a gente tem em comum é um pouco sobre ser determinada.

Você já se imaginou tendo poderes como a sua personagem? Qual você queria ter?

Eu acho que o dela são poderes que ela não controla, são coisas que acontecem com os sentimentos dela. Eu adoraria voar. Mas os poderes dela são coisas diferentes, são coisas que acontecem com a natureza quando ela está triste, feliz, apaixonada, assustada.

O que é mais difícil de fazer em relação à personagem?

É o primeiro personagem que eu faço assim. É tudo uma descoberta para mim, é tudo um desafio. Desde o corpo dela, que é muito diferente do meu, eu sou um pouco mais delicada, ela é um pouco mais bruta, até por ela lutar com os meninos, ela tem que ter uma resistência física bem maior.

Você está emendando vários trabalhos. Eles surgem através de convites ou testes?

De Malhação para Rock Story, eu fiz teste, acho que com outras meninas também, e entrei para fazer a Yasmin, porque gostaram. Agora em Deus Salve o Rei, me convidaram para fazer a Selena.

É uma grande aposta em você, né?

Eu fiquei muito feliz, não imaginava, e não imaginava para uma personagem tão bacana, que eu acho mais interessante ainda.

Você falou que a Selena é bem forte, tem um corpo diferente do seu. Você está precisando malhar para moldar seu corpo para a personagem?

Não precisava crescer corporalmente, porque a ideia é mostrar uma mulher normal, assim como eu, que não queria trabalhar onde as mulheres trabalhavam normalmente, que era a cozinha, em um reino que era muito separado. Então, é para mostrar um humano mesmo, uma menina delicada corporalmente falando, mas que consegue ser forte quando precisa.

Desde a primeira cena, o que você quer que o telespectador sinta com a sua personagem?

Para as pessoas não ficarem acomodadas. Às vezes tem muitas pessoas que estão em lugar e não se sentem à vontade, motivadas e continuam ali porque acham que não tem como ir para frente. A Selena mostra que quando você quer, você vai atrás, e que quando você se esforça, você consegue chegar aonde quiser. Eu acho que a princípio é essa a mensagem.

Você já esteve nessa situação em algum momento da vida?

Eu sou de Angra e, em algum momento, quando eu tinha 16 anos, decidi vir para o Rio de Janeiro, estudar teatro. Eu sempre morei com a minha avó, e foi difícil para mim, mas graças a Deus, eu tive muito apoio da minha família, dos meus pais. Foi uma coisa difícil, mas que eu tive um suporte para fazer.

No Rio de Janeiro você mora sozinha?

Com o meu pai. Eu sempre morei com a minha avó, sempre fui muito apegada a ela, então, foi um desprendimento, uma mudança.

Tem quantos anos que você está morando no Rio de Janeiro?

Cinco anos.

Você tem vontade de morar sozinha?

Ainda não, eu gosto de morar com o meu pai. Eu estou agora com um irmãozinho de 10 meses, então, é uma fofura. Adoro chegar em casa e brincar com ele, tenho o meu quarto. Eu estou trabalhando, então, eu tenho a minha vida um pouco mais independente, então, para mim é ótimo, eu gosto de estar com a minha família, gosto do carinho.

*Entrevista feita pelo jornalista André Romano