A Vida da Gente: triângulo de Suzana, Renato e Cícero é ótimo, mas muito desconectado do enredo

Trama paralela peca por não ter uma maior unidade com a novela

Publicado em 9/7/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A Vida da Gente é uma novela sobre sentimentos e dramas psicológicos. A ação do enredo de Lícia Manzo acontece a partir do que sentem seus personagens e para onde a vida os leva. Por isso, as cenas são recheadas de diálogos, com muitos desabafos e conselhos. Não por acaso, todos os personagens têm “orelha”: um amigo ou parente com o qual eles abrem o coração.

Rodrigo (Rafael Cardoso) e Lourenço (Leonardo Medeiros) são confidentes. Dora (Malu Galli) e Celina (Leona Cavalli), idem. Alice (Sthefany Brito) serve de “orelha” tanto a Manu (Marjorie Estiano) quanto a Ana (Fernanda Vasconcellos). São quando estes personagens conversam que nós, espectadores, conseguimos entender o que eles sentem.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mas, curiosamente, nem todos os tipos vistos na novela têm confidentes. O casal Suzana (Daniela Escobar) e Cícero (Marcello Airoldi), por exemplo, não tem alguém com quem podem abrir o coração. O único elo do casal ao restante do enredo é Alice, filha adotiva deles, que circula por outros núcleos. Mas eles ficam ali, fechados naquela casa onde vivem.

Crise no casamento

No atual momento de A Vida da Gente, o casal passa por sua maior provação. Renato (Luiz Carlos Vasconcelos), pai biológico de Alice, começou a trabalhar com Suzana, o que fará com que eles se aproximem. Isso deixará a paisagista balançada, enquanto Cícero morrerá de ciúme. O casal viverá sua grande crise dentro da novela.

Trata-se de um ótimo triângulo amoroso. Cícero e Suzana formavam, até aqui, um casal modelo, com uma vida de classe média alta sem maiores emoções. A chegada de Renato, portanto, cria uma crise em vários níveis. Ele é pai biológico de Alice e, de repente, passa a conviver com os pais adotivos da filha. Alcoólatra em recuperação, ele traz a esta família conflitos até então inimagináveis.

Sendo assim, este drama seria muito mais envolvente se soubéssemos, de fato, o que se passa na cabeça de Suzana e Cícero. A paisagista se vê encantada pelo fotógrafo, mas até que ponto este encantamento pode ser um novo amor? O que Suzana realmente sente por Renato? E Cícero? Como ele lida com toda esta situação?

Ou seja, neste núcleo, faz falta uma (ou mais) “orelha”. Suzana, por exemplo, poderia ser amiga de Dora e Celina, e estar incluída em seus encontros para falar sobre a vida. Seria uma maneira de a personagem desabafar, de o público a compreender melhor e, ainda, de ela estar mais conectada ao restante da novela.

O mesmo poderia acontecer com Cícero. Ele poderia ser amigo de Lourenço, por exemplo. Assim, ele também ficaria mais próximo dos demais núcleos da obra, e teria com quem desabafar. A novela ficaria mais uniforme e o drama de Suzana, Cícero e Renato seria potencializado.

A Vida da Gente é uma novela muito bem-resolvida. Toda a narrativa funciona, e (quase) todos os núcleos são bem conectados. Mas a autora errou ao manter a família de Alice distante dos demais personagens da obra. Seria mais fácil se envolver com o drama deles se eles estivessem mais próximos dos demais núcleos.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio