Compre iPhone SE na Apple a partir de R$ 3.779,10 à vista ou em até 12 vezes. Frete grátis para todo o Brasil
Saiba mais
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
DIFÍCIL

Marcos de Além da Ilusão, Pablo Morais relembra sofrimento de sua mãe: “Batalha para sobreviver”

Ator de 29 anos contou como sua infância e adolescência foi complicada

Publicado em 03/04/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Após compor o elenco de Gênesis, na Record TV, Pablo Morais aparece na Globo em um novo papel: Marcos, piloto combatente da Segunda Guerra Mundial em Além da Ilusão.

Na trama das seis, o bonitão se envolve romanticamente com Arminda (Caroline Dallarosa), a melhor amiga da protagonista Isadora (Larissa Manoela).

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Alçando novos voos na carreira, Pablo garante que não foi difícil chegar até aqui. Em entrevista ao Globo, aliás, o artista relembrou momentos difíceis do passado, os quais envolvem a mãe e os três irmãos.

“Minha mãe foi criada num orfanato, sustentou os filhos sozinha e sofreu essa violência quando eu, o caçula, nasci. Meu pai nunca aparecia e, quando aparecia, era assim. Ela tirou a gente de perto dele e foi realmente uma batalha para sobreviver”, revelou o ator global.

Ele conta com orgulho a história de luta e perseverança da mãe. “Ela vendia pastel em feira e limpava hospital para sustentar quatro homens”, pontua, frisando que “a gente precisa começar a mostrar esses exemplos para as pessoas”.

O ator Pablo Morais e sua mãe

Infância difícil e incentivo da mãe

Depois de todo o sofrimento, Pablo Morais acredita ser necessário valorizar o esforço das mães que criam seus filhos em ambientes inóspitos. “Hoje, entendo a importância de falar disso e mostrar a força dessa mulher para as pessoas que vêm de lugares como os que cresci, na periferia de Goiás, rodeado de crime e muita desigualdade“, avalia.

Segundo ele, a mãe teve a sensibilidade de incentivá-lo a atuar, dançar e não seguir por outros caminhos. “E mesmo assim essa mulher teve a percepção de que a arte poderia nos salvar, me colocou desde criança para fazer aula de tecido, de balé. Devo tudo a ela. A força dela me fez ser o que sou hoje”, diz Pablo todo orgulhoso.

Leia outros textos desta colunista.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....