Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
FEBRE TIFOIDE

Como será a morte de Leopoldina em Nos Tempos do Imperador?

Filha de Pedro II, princesa terá quatro filhos com o marido, Augusto

Publicado em 16/12/2021
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Entrando em sua reta final, Nos Tempos do Imperador começa a encaminhar seus personagens para os devidos desfechos. Ao retratar a vida de Dom Pedro II (Selton Mello) e sua família, a trama revela, consequentemente, fatos históricos surpreendentes. Um deles será a morte de Leopoldina (Bruna Griphao), a filha caçula do monarca.

Antes de se tornar uma mulher adulta, Leopoldina se casou com Luís Augusto de Saxe-Coburgo-Gota, mais conhecido por Augusto na novela das seis. Para quem gosta de se situar, a cerimônia aconteceu, na vida real, em 1864, quando tinha 17 anos.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Logo depois da união selada vieram os filhos do casal, apesar da primeira gravidez não ter ido para a frente. Em cenas que irão ao ar na próxima semana, inclusive, Leopoldina correrá o risco de perder seu bebê após cair da escada. Entretanto, a gestação seguirá seu curso normal, de acordo com os roteiros.

O primeiro filho que virá ao mundo será o herdeiro ao trono, Pedro Augusto. Depois, a princesa dará à luz Augusto Leopoldo e José Fernando. Todos esses nascerão no Brasil. Já o quarto e último filho do casal, o príncipe Luís Gastão, nascerá na Áustria, onde Leopoldina e Augusto se instalarão de vez e onde também acontecerá a triste morte da irmã de Isabel (Giulia Gayoso).

Morte precoce de Leopoldina

A morte de Leopoldina acontece precocemente aos 23 anos de idade. E tudo indica que o falecimento da caçula de Dom Pedro II será mostrado no final de Nos Tempos do Imperador, garantindo emoções fortes aos telespectadores da trama das seis.

Com sintomas do que parece ser febre tifoide, transmitida por água contaminada, a princesa vai ficar cada vez mais fragilizada, afinal, na época o sistema de saúde tanto do Brasil quanto da Europa não tinham condições suficientes para tratar doenças relativamente novas.

O ano será 1871 e, além da febre alta, Leopoldina também é acometida por manchas características na pele e problemas intestinais, que a levam a um quadro grave de desidratação e fraqueza.

De acordo com registros históricos, a filha mais nova de Pedro II passou cerca de 30 dias convalescendo, sendo que nos últimos começou a delirar e ter convulsões. Em fevereiro do mesmo ano Leopoldina falece, algo que deverá ser mostrado em ‘Nos Tempos’.

A título de curiosidade: na vida real, o corpo de Leopoldina é enterrado na Alemanha, mais precisamente no mesmo local de Santo Agostinho.

Leia outros textos da colunista AQUI.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....