Compre iPhone SE na Apple a partir de R$ 3.779,10 à vista ou em até 12 vezes. Frete grátis para todo o Brasil
Saiba mais
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Crítica de TV

Um Lugar ao Sol vai fundo na discussão ética ao transformar Christian num “quase assassino”

O rapaz não matou Túlio, mas planejou a morte do rival

Publicado em 03/03/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Embora esteja andando em banho-maria há alguns capítulos, Um Lugar ao Sol ainda reserva momentos de pura tensão em sua reta final. Depois de ser chantageado por Túlio (Daniel Dantas) praticamente a novela toda, o que deixou a trama bastante repetitiva, Christian (Cauã Reymond) finalmente se livrou do rival. E de uma maneira controversa: por pouco, o “usurpador” não se tornou um assassino.

Se o que vale é a intenção, Christian rompeu a última barreira na trajetória de se corromper. Encurralado por Túlio, o gêmeo de Renato (Cauã Reymond) ficou no dilema: assume o crime do vilão e vai para a cadeia, ou tem seu segredo revelado… e também vai para a cadeia! Neste momento, ele vê a chance de se livrar do inimigo quando tem em mãos o remédio que o mantém vivo – Túlio sofre do coração.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Christian, então, sabota o medicamento e o entrega ao inimigo. Momentos depois, ele é avisado por Bárbara (Alinne Moraes) que Túlio está morto. Imaginando que foi ele quem o matou, Christian tem uma intensa crise de consciência. Ele se corrompeu de vez, tornou-se um assassino por conta de sua constante busca por uma vida melhor.

Somente mais tarde é que Christian descobre que Túlio não morreu por conta da falta de seu medicamento, e sim em razão de um grave acidente de helicóptero. O veículo explodiu enquanto transportava o vilão e Ruth (Patty Dejesus), sua amante, matando-os instantaneamente. Ao descobrir que não foi ele o responsável pela morte de Túlio, Christian respira aliviado.

Mas afinal, Christian merece ser absolvido? O fato de Túlio não ter morrido por conta do remédio não apaga o fato de o rapaz ter armado para provocar sua morte. Ou seja, caso Túlio não tivesse morrido no helicóptero, ele poderia ter morrido depois, com a ausência do remédio. Ou, ao menos, estaria acamado, em estado grave no hospital.

A verdade é que Christian assumiu a identidade de Renato em busca de melhores condições de vida, mas se corrompeu neste processo de tal maneira que parece irreversível. O rapaz rouba, engana, trai, provoca, usa as pessoas… e é um potencial assassino. Até que ponto o fato de sua vida anterior ter lhe imposto constantes negativas justifica atitudes tão condenáveis?

O conflito psicológico de Christian estava apagado diante do marasmo que contaminou a reta final de Um Lugar ao Sol. Mas voltou com tudo nos mais recentes capítulos da novela de Lícia Manzo. Onde tudo isso levará o anti-herói das nove é uma incógnita. Será ele absolvido ou condenado por tantas atitudes questionáveis?

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Leia outros textos do colunista AQUI

Entre em contato com André Santana AQUI ou AQUI

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....