Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Que terror!

Globo já gravou a cena que chocou os brasileiros na primeira versão de Pantanal

Foram gravados dois desfechos para o peão Alcides (Juliano Cazarré) na trama de Bruno Luperi

Publicado em 19/05/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Com Pantanal fazendo um grande sucesso na grade de programação da emissora líder, uma curiosidade paira no ar: Como será o desfecho de Tenório (Murilo Benício) na trama de Bruno Luperi?

A coluna apurou que o desfecho sombrio do vilão foi gravado na tarde dessa quarta-feira, dia 18 de maio, no Pantanal. Sendo assim, o personagem morrerá no capítulo final da trama de Bruno Luperi que deve ficar no ar até o dia 07 de outubro.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Maria Bruaca (Isabel Teixeira) em Pantanal

Após descobrir que Alcides (Juliano Cazarré) tem um caso com sua mulher, o sem caráter tentará matar o peão. Prestes a tirar a vida do futuro marido de Bruaca (Isabel Teixeira), Tenório será baleado pelo bronco. Após a execução, Alcides jogará o corpo do pilantra no rio para ser devorado por piranhas – essa cena será reproduzida digitalmente.

Cena chocante 

A esperada cena da castração do personagem de Juliano Cazarré será mantida na refilmagem de Pantanal. Mas com uma ressalva: foram gravados dois desfechos para o peão Alcides (Juliano Cazarré) na trama de Bruno Luperi.

Alcides (Juliano Cazarré) de Pantanal

Em uma das cenas, o peão matará Tenório (Murilo Benício) antes de ter o seu órgão genital arrancado. No outro desfecho, o bronco será castrado. Mas deixando uma dúvida no ar. Sendo assim, o final feliz entre Maria (Isabel Teixeira) e Alcides estará garantido no folhetim global. Mas isso dependerá da repercussão dos personagens perante o público.

Alcides (Juliano Cazarré) e Maria Bruaca (Isabel Teixeira) de Pantanal

Pantanal é escrita por Bruno Luperi, baseada na novela original escrita por Benedito Ruy Barbosa. A direção artística é de Rogério Gomes, direção de Walter Carvalho, Davi Alves, Beta Richard e Noa Bressane. A produção é de Luciana Monteiro e Andrea Kelly, e a direção de gênero é de José Luiz Villamarim.

Leia outras matérias desse colunista CLICANDO AQUI. 

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....