Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
MERCADO

Invisível no Brasil, franquia Blackish é mina de ouro para Disney

Nenhuma das três séries da saga teve um tratamento digno em território brasileiro

Publicado em 22/04/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Comédia 24 vezes indicada ao Emmy, Blackish chegou ao fim na última terça-feira (19), nos Estados Unidos. A série é a matriz de uma franquia milionária, verdadeira mina de ouro para a Disney. Aqui no Brasil, porém, as três séries da saga são ignoradas, indisponíveis em todos os streamings do mercado. E na TV paga, somente Blackish está no ar, contudo em horários indigestos no canal Sony.

A verdade é que desde a estreia, em 2014, Blackish nunca teve um tratamento minimamente digno por aqui. Quando os episódios inéditos chegavam, eram com grande atraso em comparação aos EUA. 

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Apenas por um breve instante, em 2019, Grownish, a primeira série derivada, alcançou relativo sucesso na Netflix. Mas a série ficou no catálogo da gigante do streaming durante um ano somente. Mixedish, o filhote mais recente, passou em branco por aqui.

Enquanto isso, essas três séries desfrutam de grande sucesso em território americano. A começar com Blackish, que encerrou a jornada na rede americana ABC, do grupo Disney, após oito temporadas e 172 episódios. Tamanho volume é a razão do sorriso estampado no rosto dos executivos da corporação dona do Mickey Mouse.

Yara Shahidi na quarta temporada de Grownish

Lucro (sem o ish)

Nos EUA, é comum redes da TV aberta (caso da ABC) negociarem os episódios de determinada série para TVs regionais e canais pagos, além do modelo recente das plataformas de streaming. Um acordo com a rede de canais da BET e do FX exemplifica a representatividade do negócio. 

A Disney vendeu cada episódio de Blackish por US$ 500 mil (BET) e US$ 300 mil (FX). O pacote de episódios, somando os dois contratos, deu para a empresa um extra de US$ 137 milhões (R$ 687 milhões).

Blackish teve uma estrutura narrativa que ajudou entrar mais dinheiro em caixa. A série apresentou uma família negra interagindo com a branquitude ao redor, seja em casa ou no trabalho. Na cabeça do clã Johnson estão Andre “Dre” (Anthony Anderson), publicitário, e Rainbow “Bow” (Tracee Ellis Ross), médica.

Dre lidou com todo tipo de marca na agência em que trabalhava, de nomes fictícios a reais. Em vários episódios, empresas pagaram para servirem de tema em uma história específica, um marketing puramente direto feito por marcas renomadas tipo Starbucks, Buick e Procter & Gamble.

Futuro

Com o fim de Blackish, chegou o momento de pensar na passagem de bastão. O filhote mais novo, Mixedish (2019-2021), não vingou como esperado, sobre a infância de Rainbow, nascida e criada por pais mestiços. Já Grownish deu muito certo e continua firme e forte.

Durante as quatro primeiras temporadas, Grownish acompanhou a filha mais velha do casal, a Zoey (Yara Shahidi), na universidade. Com ela formada, agora é a vez de Andre Johnson Jr. (Marcus Scribner) se aventurar no ensino superior. Caso tudo dê certo, vem mais quatro levas de episódios pela frente.

O público brasileiro, infelizmente, não tem como aproveitar as boas histórias de Blackish, Grownish e Mixedish de forma apropriada, de preferência em um streaming. As três séries são da Disney e cabem perfeitamente em qualquer uma das plataformas oferecidas no Brasil, Star+ ou Disney+.

Os assinantes de ambos os serviços pedem a entrada das três comédias, insistentemente, mas por enquanto não há previsão de lançamento. ⬩

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....