Compre iPhone SE na Apple a partir de R$ 3.779,10 à vista ou em até 12 vezes. Frete grátis para todo o Brasil
Saiba mais
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
TÁTICA FURADA

Disney repete erro e esconde nova American Crime Story na TV paga

Trama batizada de Impeachment não tem um horário decente no canal FX nem em reprises

Publicado em 12/03/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

No horário ingrato da 0h, o canal FX estreou a terceira temporada de American Crime Story, intitulada de Impeachment, na virada da quinta (10) para sexta. Somente na TV paga, sem disponibilidade no streaming, a Disney repete no Brasil o mesmo erro cometido nos Estados Unidos, deslize que fez a premiada atração cair no esquecimento.

Para agravar ainda mais a situação, os horários de reprises não ajudam: domingo, às 12h45; terça, às 12h45; quarta, às 2h20; e quinta, às 14h55. Nada de horário nobre, que seria digno a uma série de alto padrão e de renome.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Toda a franquia American Crime Story é exclusiva do grupo Disney desde a saída das duas primeiras temporadas da Netflix, no final do mês passado. As levas O Povo Contra O.J. Simpson e O Assassinato de Gianni Versace devem integrar o catálogo da plataforma Star+ em breve. Não lançá-las junto com Impeachment na plataforma foi uma oportunidade perdida.

A ausência em um streaming foi a justificativa adotada por John Landgraf, presidente do FX, ao tentar explicar porque American Crime Story: Impeachment empacou nos EUA. “Eu acho que não estar em um streaming jogou contra Impeachment”, disse o executivo, em entrevista ao site Variety. No território americano, a atração só foi exibida no canal pago também.

Impacto negativo

O resultado foi desastroso em três níveis. No quesito audiência, Impeachment teve média de 632 mil telespectadores, nos EUA, metade do registrado pela segunda temporada (O Assassinato de Gianni Versace) e anos-luz atrás do ano de estreia (O Povo Contra O.J. Simpson), que obteve média de 3,2 milhões de telespectadores.

A audiência medíocre não colocou a narrativa na boca do povo e nem gerou engajamento, ao contrário das duas levas anteriores. Impeachment passou como uma série qualquer, longe de provocar o impacto e incitar debates intensos, igual a franquia produziu anteriormente.

E a soma do desastre se completa com a total ausência no circuito de premiações da temporada, sem nenhuma indicação nos principais prêmios hollywoodianos. Tanto Simpson quanto Versace ganharam as categorias de melhor minissérie no Globo de Ouro e levaram estatuetas no SAG Awards, premiação dos atores, só para citar as cerimônias de começo de ano.

Isso tudo apesar de a história de Impeachment ter muito apelo, sobre o caso extraconjugal e escandaloso entre o ex-presidente dos EUA, Bill Clinton, e Monica Lewinsky, então estagiária da Casa Branca, sede do governo americano.

O elenco foi de grife, com nomes tipo Sarah Paulson (ACS: Simpson), Clive Owen (The Knick), Margo Martindale (The Americans), Cobie Smulders (How I Met Your Mother), Edie Falco (The Sopranos), Colin Hanks (Fargo), Elizabeth Reaser (Grey’s Anatomy), entre outros.

Veja o vídeo de apresentação de American Crime Story: Impeachment, no FX:

____

Conheça a página de séries do Observatório da TV

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....