Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
ANÁLISE

A Escada: Sophie Turner retoma carreira após flop em série experimental

Três anos depois do fim de Game of Thrones, atriz encontra papel ideal para se reposicionar em Hollywood

Publicado em 14/05/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Mera coadjuvante em A Escada, minissérie da HBO Max que é a nova sensação das produções true crime, Sophie Turner retoma controle da carreira depois de derrapagens pós-Game of Thrones (2011-2019), atração pela qual ficou famosa. Há dois anos, ela se arriscou em uma série experimental do falido streaming Quibi, chamada de Survive, intensamente massacrada pela crítica e pelos espectadores.

Soma-se a isso o esquecível filme X-Men: Fênix Negra (2019), lançado logo após o fim de GoT, com a atriz de protagonista. Sophie Turner precisava de um papel como em A Escada, apenas apoiando a história principal liderada por atores mais tarimbados. É a situação perfeita para respirar, fazer o simples e se reposicionar em Hollywood.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Pelo fato de Sophie Turner ser nome conhecido, logo se imagina que ela seria destaque de qualquer série. Contudo em A Escada, a eterna Sansa Stark serve como complemento. Em certos momentos, literalmente só compõe o cenário, aparecendo calada ao fundo; em outros, contribui para o desenvolvimento da trama. Tudo sem atrair os holofotes.

Odessa Young (à esq.) com Sophie Turner em A Escada

Feijão com arroz

Margaret Ratliff, personagem da atriz em A Escada, mostra-se ideal para ela nesse ponto da carreira. Depois de encabeçar um grande filme e apostar em série experimental, a hora é de sentar no banco do passageiro e seguir viagem.

A Escada narra a história real de Kathleen Peterson (Toni Collette), que caiu de uma escada dentro de casa e morreu. O marido, Michael Peterson (Colin Firth), é o principal suspeito do caso. Ele jura de pés juntos que tudo foi um acidente trágico. A acusação argumenta que o escritor matou a mulher.

Juntando casamentos passados e adoção, Michael e Kathleen têm cinco filhos. As irmãs de sangue Martha (Odessa Young) e Margaret (Sophie Turner) estão sob a guarda de Michael desde pequenas; os pais biológicos dela morreram e ele as adotou.

O dilema acerca da participação de Michael na morte de Kathleen divide toda a família. Isso ocorre com as duas. Martha, a cada dia que passa, crê na culpabilidade do pai. Margaret age mais na defesa, sendo voz de suporte na família e acreditando na inocência. 

A posição de Margaret é importante no desenrolar de A Escada, instantes nos quais Sophie Turner ganha tempo de tela e faz o feijão com arroz necessário, sem firula. A atuação comedida cai bem para ela.

Sophie Turner em cena de Survive

Série sensacionalista

Entre 2018 e 2019, um streaming chamou a atenção de Hollywood. Com um nome esquisito (Quibi), ele prometia fazer programas curtos para as pessoas assistirem nos aparelhos celulares. Episódios de séries não passariam de dez minutos, por exemplo. A tecnologia permitiria que os assinantes acompanhassem as atrações com o celular na vertical.

A novidade atraiu celebridades aos montes e nomes de peso da indústria do entretenimento americana. E Sophie Turner estava no balaio, procurando um projeto pós-Game of Thrones.

Assim surgiu a série Survive, lançada em abril de 2020, drama no qual protagonizou com Corey Hawkins (The Walking Dead; 24 Horas: O Legado). Entre todas as atrações experimentais do Quibi, essa foi a mais criticada. O massacre veio pelo sensacionalismo feito em relação ao suicídio.

Era a personagem de Sophie, a Jane, quem viveu isso, sofrendo de depressão e ideações suicidas. Toda a representação desse tema delicado foi muito mal executada, sem contextualização sólida, feita só para chocar mesmo. 

Survive foi uma das grandes derrapadas do Quibi, que queria ser a Netflix dos celulares mas não completou nem um ano de existência. O streaming, que chegou a receber quase US$ 2 bilhões de investidores, foi vendido por menos de US$ 100 milhões oito meses após estrear. ⬩

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....