Quem foi a Condessa de Barral, personagem de Mariana Ximenes em Nos Tempos do Imperador

Luísa, amante de Dom Pedro II, foi uma mulher forte e sensível a causas importantes

Publicado em 20/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Quem acompanha a novela Nos Tempos do Imperador, certamente já conhece a personagem Luísa, a Condessa de Barral, interpretada por Mariana Ximenes. Essa é uma das personalidades reais e que marcaram a história do Brasil retratadas da trama de Alessandro Marson e Thereza Falcão.

Luísa Margarida de Barros Portugal era uma mulher importante e considerada evoluída para a época. Seu título – Condessa – foi adquirido após o casamento com o conde francês Eugene de Barral – que está na história contada na teledramaturgia, interpretado por Thierry Tremourox.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Ela tem uma educação peculiar, aprende a nadar no Rio Sena, vai às operas. Cria-se uma cabeça liberal na menina”, explica a historiadora Mary Del Priore, autora do livro Condessa de Barral: A paixão do imperador. Mesmo sendo incumbida de se casar por seu pai, ela faz questão de escolher seu marido, que lhe chama a atenção não por ter posses, mas por ser inteligente.

Nascida em Santo Amaro, na Bahia, a Luísa que passa agora na televisão aberta conta, de fato, viveu a história de amor que viveu com Dom Pedro II, papel de Selton Mello no folhetim da Globo, mesmo sendo casado com Teresa Cristina, feita por Letícia Sabatella. Além disso, a personagem é fiel quando mostra sua índole empática e força na hora de lutar pelo direito dos negros, tendo participação ativa na construção da Lei Áurea.

Apesar da novela ainda mostrar um lado bastante romântico entre Dom Pedro II e Luísa, que foi realmente professora de Leopoldina e Isabel, filhas do monarca, o enlace dos dois teve uma motivação além da sedução e paixão. Os dois se tornaram amigos, confidentes e foram unidos por aptidões intelectuais. Quem atesta isso é também a escrita Mary Del Priore.

Herança abolicionista

A Condessa de Barral herdou de seu pai, Domingos Borges de Barros, de certo modo, o posicionamento a favor da abolição da escravatura. Antes de morrer – o que a novela Nos Tempos do Imperador mostra logo no primeiro capítulo -, o homem, que foi embaixador de Dom Pedro II, entrega a carta de alforria a inúmeros escravos de suas fazendas.

Por isso, quando assistimos à história de Alessandro Marson e Thereza Falcão, vemos uma Luísa preocupada em tratar bem a todos, brancos e negros. Em sua face real, ela não tinha um comportamento como era comum na época, de racismo puro e cruel.

“Ela convivia com os escravos de modo que ela ia nas casas deles e nas senzalas. Sabia da vida de todos e anotava tudo. Quem deitava com quem, quem comia quem e quem saia com quem. Nessa vida toda, ela passa pelas revoltas do recôncavo. É incrível como ela tomava conta das suas propriedades”, ressaltou a escritora Mary Del Priore.

A relação próxima com Dom Pedro II, assim como com as filhas dele, diariamente, só ajudou a reforçar o entendimento da família real pela necessidade de abolir a escravatura. Há historiadores que afirmam que foi Luísa quem ensinou tudo sobre o tema para Isabel, fomentando na princesa o desejo de instaurar a Lei Áurea.

Tudo indica que a trilogia dos autores de Novo Mundo e Nos Tempos do Imperador irá se completar com a história de princesa Isabel. Até lá, poderemos acompanhar todos os desfechos de Luísa e Dom Pedro II.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio