Quadro sobre transgêneros do Fantástico contextualiza histórias a partir de Alice no País das Maravilhas; entenda

Publicado há 4 anos
Por Endrigo Annyston
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nesta quarta-feira (08), o Fantástico reuniu jornalistas em sua redação no Rio de Janeiro para tratar sobre suas novidades para a temporada 2017.

Dentre os destaques, ‘Quem sou eu?’, série sobre transgêneros em que Renata Ceribelli conta, em quatro episódios, as histórias dessas pessoas em diferentes fases da vida, ressaltando a diferença entre identidade de gênero e orientação sexual.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O episódio de estreia traz casos de crianças que, desde muito cedo, sentem que nasceram no corpo errado, mostrando as diversas fases da vida delas.

Segundo Renata, a produção relata como é a puberdade, os tratamentos com hormônios, incluindo os riscos de fazerem uso sem acompanhamento médico, além da reação das famílias e o que isso causa em suas formações.

‘Quem sou eu?’ também aborda os relacionamentos e quem optou por ressignificação sexual na vida adulta. A jornalista relatou que muitos trans têm medo de se expor e as pessoas em geral às vezes “não querem ouvir sobre esse assunto”.

Fantástico estreia nova abertura e retoma dança: “Resgate do passado”

A nova série do Show da Vida usa a fábula Alice no País das Maravilhas para contextualizar os casos, por ser “uma personagem cheia de perguntas querendo se descobrir”. Dentre as situações reais apresentadas, a de Melissa, um menino que não desenvolveu traços masculinos.

Ceribelli adicionou que as explicações da ciência também entram em pauta e destacou a prestação de serviço que vai ser feita na atração, listando onde os trans podem buscar ajuda. “Os locais existem e não são divulgados”, finalizou.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais