JORNALISMO

Profissão Repórter mostra o surto da dengue pelo Brasil

O programa desta terça-feira viaja a lugares do país onde a incidência da doença tem sido maior e acompanha medidas tomadas para diminuir o número de casos

Publicado em 19/02/2024

Nesta terça-feira (20), o Profissão Repórter irá abordar o surto de casos de dengue que tem assolado o país nos últimos meses, logo após a exibição do Big Brother Brasil 24. O Brasil ultrapassou a marca de meio milhão de casos apenas em 2024 e uma projeção do Ministério da Saúde aponta que o número pode chegar à marca de até quatro milhões ainda neste ano. O programa mostra como estão vivendo as pessoas nas regiões mais afetadas pela doença.

A repórter Mayara Teixeira e o repórter cinematográfico Bruno Trentini acompanharam o trabalho de equipes médicas e agentes de vigilância no Distrito Federal, a unidade da federação com a maior incidência de casos de dengue no país. Enquanto a média nacional é de 273 pessoas diagnosticadas com a doença a cada 100 mil habitantes, no DF esse número cresce para 2.071 contaminados a cada 100 mil. Em Ceilândia, a dupla busca entender os motivos para números tão elevados. A Aeronáutica instalou um hospital de campanha com 60 leitos que funciona 24 horas por dia na região, onde há a maior concentração de incidências.

São Paulo é uma das cidades que não decretou emergência diante do surto de dengue no país. A capital paulista registrou uma média de 54 casos para cada 100 mil habitantes, mas em alguns bairros os números são bem mais alarmantes. Na Vila Jaguara, próxima ao Rio Tietê, chegou-se a 1.523 casos da doença para cada mil habitantes. O repórter Thiago Jock acompanhou o trabalho do serviço de limpeza urbana no bairro. Muitos focos de proliferação de larvas do Aedes Aegypti foram encontrados. As casas do bairro costumam ter quintais pequenos, mas com muitas plantas. A população mais idosa sente dificuldade para levantar os vasos e cuidar dos pratos que acumulam água.

Em dezembro de 2023, fortes chuvas devastaram Barra do Guarita, no extremo noroeste do Rio Grande do Sul. As altas temperaturas e os vestígios deixados pelas enchentes ajudaram a provocar um surto de dengue na pequena cidade gaúcha. Em pouco tempo, cerca de 10% dos três mil habitantes foram diagnosticados com a doença.

Um mês depois, a vizinha Tenente Portela registrou recorde de casos em todo o estado: 85% da população que procurou atendimento médico no hospital da cidade estava infectada. A repórter Nathalia Tavolieri viu de perto os impactos dessa explosão de casos. Diante da gravidade do cenário, foi criado um comitê de crise para elaborar estratégias de combate ao mosquito. No principal posto de saúde da cidade, o número de atendimentos chegou a ser dez vezes maior do que o normal.