O Tempo Não Para: Barão sugere acabar com a vida de Emílio, mas Marocas não concorda

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nos próximos capítulos de O Tempo Não Para, um dos capangas de Barão (Rui Ricardo Dias), irá até a casa de Marocas (Juliana Paiva), devolver a jovem, o quadro que foi pintado por Monsieur de La Fontaine, no século retrasado.

Marocas ficará emocionado ao ver a sua imagem estampada na obra de arte. “Seu patrão avisou que o senhor tinha algo para me entregar”, questionará ela ao capanga de Barão.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Foi só o que nóis encontramo no apê do advogado”, responderá o malandro. “No apartamento do dr. Emílio? O meu retrato… pintado por Monsieur de La Fontaine… Achei que houvesse sumido no naufrágio”, dirá Marocas, com emoção na fala.

Leia mais: O Tempo Não Para: Dom Sabino diz para Eliseu que sua filha não combina com Emílio

“O quadro não sumiu. Mas tem gente que pode sumir. O Barão disse que tá na hora de dar fim no doutorzinho, esse tal Emílio…É só a moça dar a ordem e o seus problema acabam na hora… Cê só tem que dizer sim”, sentenciará o comparsa, se referindo a matar Emílio (João Baldasserini).

Marocas não concordará com o pedido, já que é contra qualquer tipo de violência. “Diga ao sr. Barão que esta não é uma alternativa… Desde o primeiro momento em que o procurei, fui bem clara… Sou contra qualquer forma de violência”, acrescentará Maria Marcolina.

Leia mais: O Tempo Não Para: Emílio diz que vai destruir Samuca: “Eu quero a sua destruição”

Sem violência

Marocas revelará de que não quer ter peso na consciência no futuro. “O sr. Barão pode mandar na ‘quebrada’, mas não manda na minha consciência. Quantas vezes terei que repetir isso?!”, indagará Marocas, com determinação na fala.

“Ele avisou que a moça era topetuda… que nem a filha dele”, acrescentará o capanga. “Não meta a minha amiga Paulina nessa história sórdida. Sr. Florêncio, há princípios imutáveis que separam civilização de barbárie… A recusa à violência é o maior deles”, pontuará a jovem do século 19.

“Acho bom cê pensar melhor…Eu volto outra hora”, dirá o capanga, já de saída. “Perderá a viagem. Diga ao seu patrão que a minha resposta é não! Pela última vez”, finalizará Marocas, com a consciência limpa.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio