O Outro Lado do Paraíso: Estela não alcança torneira do chuveiro, quase cai no banho e grita “Socorro”

Publicado há 3 anos
Por Neuber Fischer
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em O Outro Lado do Paraíso, Estela (Juliana Caldas), além de conviver com a rejeição da mãe Sophia (Marieta Severo), começa e enfrentar as dificuldades de morar em uma casa não adaptada para sua baixa estatura.

Sophia, sem se preocupar com a filha e pega de supresa com o retorno dela da Europa, não fez as reformas necessárias para a acessibilidade da moça que tem nanismo.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Estela já enfrentou dificuldades para usar a pia do banheiro, mas foi auxiliada pela empregada, que providenciou um banquinho para ela subir. Mas agora, ela quase vai se acidentar durante o banho.

Veja também: Cena violenta cortada da estreia de O Outro Lado do Paraíso ainda será exibida

Nas pontas dos pés, Estela se esforça para fechar a torneira do chuveiro, dá uns pulinhos, mas não consegue e grita: “Socorro”.

Sophia está com visita de Nádia (Eliane Giardini) em casa, que ouve os gritos de Estela diz: “Estou ouvindo alguém pedir socorro”. Sophia responde: “É a minha filha, preciso saber o que há. Vou subir”.

Lívia (Grazi Massafera) acompanha a mãe até o quarto de Estela, chegando lá ela não se compadece da filha e ainda dá uma bronca. “Que escândalo é esse? Estou com visita”, reclama Sophia. “Quase caí no chão tentando fechar esse chuveiro”, justifica Estela.

Sophia então fecha o chuveiro e reclama: “Me molhei toda. Como não conseguiu fechar a torneira?”. Lívia lembra a mãe da condição da irmã: “Mãe, ela é anã”.

“Lívia, sinceramente, eu já sei. Mas uma torneira… não fica tão alta assim”, argumenta a vilã. Estela afirma: “Pra mim fica. É por isso que reclamei do banheiro”.

A empregada Rosalinda (Vera Mancini) então entra no banheiro assustada com os gritos de socorro: “Ah, minha querida, que susto, quando ouvi você pedir socorro. Podia ter morrido afogada”.

“Ninguém morre afogada no chuveiro. Só se fosse na banheira. Eu vou voltar para conversar com minha amiga. Estela, eu só lhe peço um favor. Não grite à toa, o motivo não era tão grande assim”, desdenha Sophia.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais