Fantástico mostra como está um grupo de angolanos cegos refugiados no Brasil há 15 anos

Publicado há 4 anos
Por Endrigo Annyston
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No ‘Fantástico’ deste domingo, dia 19, o repórter Marcelo Canellas traz uma história emocionante para o programa: a de um grupo de 17 angolanos que veio para o Brasil há 15 anos, por meio de um Plano Educacional de Mútua-Cooperação entre os dois países, no fim da guerra civil angolana. A guerra, aliás, é responsável, direta ou indiretamente, pela cegueira de todos eles. Foi aqui no Brasil que se alfabetizaram, estudaram e aprenderam braile. Hoje, cada um tem um trabalho diferente, mas continuam morando juntos. Onze deles em Curitiba e seis deles em Florianópolis. Quem conta essa história é a pequena Isabelli, de um ano e meio, a única pessoa do grupo com visão perfeita. Ela é filha de uma cega do grupo angolano com um brasileiro e rapidamente se tornou o xodó da casa. Já entende como é viver em um grupo com tantos cegos e até ajuda nas tarefas do dia a dia.

Ainda no programa, o segundo episódio da série ‘Olha quem fala’, os personagens do reality apresentado por Poliana Abritta que têm pânico de falar em público, João, Luzia e Wilson, começam a ser treinados pelo professor de expressão verbal Reinaldo Polito, referência no Brasil em oratória, com acompanhamento do consultor de carreiras Max Gheringer.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A série ‘Quem sou eu?’, que trata de transgêneros em diferentes fases da vida, mostra, em seu segundo episódio, a vida de adolescentes, com todas as questões e dúvidas que essa fase traz. Renata Ceribelli apresenta ao público a história de Bernardo e Andrea.

Um levantamento sobre depressão publicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) mostra que 264 milhões de pessoas no mundo sofrem com transtornos de ansiedade e o Brasil tem 9,3% da população com algum transtorno de ansiedade, ou seja, três vezes mais que a média mundial. São 18,6 milhões de pessoas nessa situação. O ‘Fantástico’ mergulha fundo nessa questão para entender porque o Brasil ocupa essa posição no ranking, ouvindo especialistas e pessoas que sofrem do mal.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais