Esporte Espetacular: Maria Esther Bueno é a personagem do quadro Relíquias

A brasileira revolucionou o tênis dentro e fora das quadras

Publicado há um mês
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Maria Esther Bueno morreu em junho de 2018, mas o legado da tenista está eternizado na história. Um fenômeno que despontou no fim da década de 1950 e surpreendeu o mundo ao conquistar o título de simples do Grand Slam mais tradicional, no templo sagrado de Wimbledon, na Inglaterra.

Neste domingo (20), o quadro Relíquias, do Esporte Espetacular, presta uma homenagem a uma das maiores atletas brasileiras em todos os tempos, importante dentro e fora das quadras. Afinal, a mudança no vestuário feminino da modalidade passa diretamente por Maria Esther.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em 1959, aos 19 anos, Maria Esther Bueno conquistou o primeiro dos três títulos de simples em Wimbledon. Apresentou o estilo saque e voleio que nenhuma outra tenista havia praticado. Aquela participação chamou a atenção do mundo também por outro motivo, o vestido. Hoje todas usam esta indumentária, que representa, o pioneirismo a ousadia e a importância da brasileira para o desenvolvimento do tênis mundial.

Quase 40 anos depois, a história se repetiu, desta vez entre os homens, quando Gustavo Kuerten usou um uniforme azul e amarelo bem chamativo ao vencer em 1997 outro Grand Slam, o de Roland Garros, na França.

“O bacana é que as nossas histórias, apesar do distanciamento do tempo, têm conexões muito próximas. A Maria Esther com o vestido e a leveza, e eu, em 1997, com a roupa azul e amarela. Os dois com a brasilidade, a forma de encarar mais despretensiosa, feliz, em busca de encarar os sonhos impossíveis”, recorda Guga.

O programa também exibe uma entrevista exclusiva com outra brasileira que não se cansa de fazer história no esporte. A surfista Maya Gabeira teve homologado na semana passada pela Liga Mundial de Surfe (WSL) o recorde mundial de maior onda já surfada por uma mulher. O feito aconteceu em fevereiro deste ano, na praia de Nazaré, em Portugal, onde ela passa boa parte do ano. Maya superou a própria marca ao atingir 73,5 pés, cerca de 22,4 metros de altura.

Nos Estados Unidos, o correspondente Guilherme Roseguini mostra como funciona a rotina dentro da bolha da NBA, a principal liga de basquete do mundo.

O Esporte Espetacular deste domingo começa logo depois do Auto Esporte.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais