Nova aposta da Globo às sete, Haja Coração representou desafio para autor, elenco e diretor

Novela de Daniel Ortiz inspirada em Sassaricando volta na segunda-feira

Publicado há 21 dias
Por Fábio Costa
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Diante do cenário da pandemia de covid-19, que não cedeu no tempo em que se supunha que cederia, a TV Globo se viu obrigada a programar outra reprise para substituir a de Totalmente Demais, que termina nesta sexta-feira (9) na faixa das 19h da emissora. Assim como em 2016, Haja Coração entrará no lugar, na segunda-feira (12).

Baseada livremente em Sassaricando, de Silvio de Abreu, que está no ar no Canal Viva, a novela de Daniel Ortiz volta com uma responsabilidade grande: a exemplo do ocorrido quatro anos atrás, Haja Coração precisa manter os bons índices da história escrita por Rosane Svartman e Paulo Halm, tão vista agora quanto da primeira vez, ou mesmo mais.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Depois de qualquer trabalho você amadurece, mas após Haja Coração o que mais amadureceu foi a minha parceria com o Fred (Mayrink, diretor artístico). Sintonia essa que está ainda mais fina hoje, por conta de Salve-se Quem Puder. E fazer um remake e começar uma novela do zero são dois trabalhos completamente diferentes”, explica Ortiz.

Para Fred, a tabelinha formada com Daniel para a novela reverberou no trabalho feito pelo elenco, que, para sorte do público, poderá ser visto novamente.

“Somos verdadeiramente parceiros e eu acho que a evolução no trabalho é inevitável. Além disso, eu gosto de atores. A minha busca é mergulhar na emoção do ator. Aí que a história se alicerça, a emoção aflora. Melhor ainda quando isso vem de maneira coletiva, compartilhada com um bastidor feliz, companheiro. Fico feliz quando assisto a uma cena em que o ator está bem, que consegue acessar quem está em casa. Isso é o que eu busco incansavelmente”, avalia o diretor.

Mariana Ximenes falou sobre o peso de interpretar Tancinha, personagem lembrada até os dias de hoje pela atuação de Cláudia Raia, em Sassaricando. “O maior desafio era essa imagem da Cláudia. E eu temia que todos tivessem a Tancinha já sacramentada da Cláudia no imaginário. Ela é aquela atriz potente, ser humano maravilhoso, foi uma responsabilidade gigante.”

“Tivemos que formatar uma Tancinha para os dias de hoje, em que muita coisa mudou. A gente tem um contemporâneo muito diferente de 30 anos atrás. Eu estava com receio mesmo”, confessou a atriz.

“Você estava apavorada. Eu lembro que eu falava para ela: ‘Calma, Mari, você está maravilhosa. Vai dar tudo certo’”, retrucou, rindo, Malvino Salvador, que viveu Apolo, namorado bronco de Tancinha.

Para ele, a maior provocação que o elenco encarou nesta obra foi criar a própria versão para personagens que boa parte do público já conhecia e tinha uma reverência forte por conta da novela anterior, cujo elenco teve as presenças de Paulo Autran, Tônia Carrero, Lolita Rodrigues, Carlos Zara, Diogo Vilela e Cristina Pereira, entre outros.

“Havia um ‘medo’ de fazer Tancinha. Era como fazer Odete Roitman [de Vale Tudo]. Você foi corajosa, Mari. Nós fomos”, elogiou Daniel Ortiz. João Baldasserini, que, na trama, encarnou o publicitário Beto Velázquez, bon vivant responsável por balançar o coração de Tancinha e deixá-la ainda mais maluquinha, acredita que a novela segue atual e que traz uma mensagem importante com seu personagem.

“Quando a novela estreou a gente era uma família muito unida. Éramos um núcleo muito gostoso. O Beto começou sendo um vilão, mas um vilão errado, mimado. Era um bobalhão. E, conforme ele vai conhecendo a Tancinha, ele vai se permitindo ser uma nova pessoa. No fundo, pelo fato dele ter conhecido o amor, ele consegue se tornar uma pessoa melhor”, garante João.

Na pele da filha caçula de Francesca (Marisa Orth), Shirlei, Sabrina Petraglia falou com carinho sobre a personagem que era a mais introvertida da família e do par romântico que formou com Marcos Pitombo, intérprete de Felipe. O casal fez sucesso e ganhou as redes sociais com a hastag #shirlipe.

“A gente não esperava, foi um susto. Eu não sabia nem se eu estava preparada para aquilo tudo. Eu só pensava: ‘continue trabalhando’. Foi maravilhoso. Uma história linda que o Daniel criou e o Fred conduziu de uma maneira extremamente humana. Foi a conjunção das estrelas. Se a gente não fizesse esse gol, eu nunca ia me perdoar. A gente entregou, colocou todo nosso coração ali. Foi uma personagem que mudou minha vida, minha carreira”, relembra Sabrina.

Par romântico de Sabrina, Marcos Pitombo diz que o personagem também foi um divisor de águas na sua carreira. “Para mim, Haja Coração foi uma experiência incrível. É muito gostoso quando a gente começa a ver que o nosso trabalho está tocando o coração das pessoas. Era uma história muito cativante, e a nossa trama foi crescendo. Em cena, eu e Sabrina fomos muito parceiros e essa amizade veio para fora da novela”, garante ele.  

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais