Protagonista da nova temporada de Malhação, Pedro Novaes fala sobre já ter descartado atuação: “Eu não queria fazer naquela hora”

Publicado há 2 anos
Por Henrique Carlos
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Pedro Novaes é um dos nomes que prometem chamar a atenção em Malhação: Toda Forma de Amar, onde interpretará o personagem Filipe. Na nova temporada da novela, ele namora Marinha (Beatriz Damiani). Mas, ele conhecerá Rita, personagem interpretada pela também novata na TV, (Alanis Guillen) e ficará dividido entre as duas.

Em entrevista ao Observatório da Televisão, Pedro que é filho dos atores Marcelo Novaes e Letícia Spiller, revelou detalhes sobre a trama de seu personagem e falou sobre sua estreia. Confira:

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nos conte um pouco sobre o Filipe?

“O Filipe é um cara muito sentimental, muito correto, não que ele não tenha problemas, mas é um cara muito centrado e se preocupa muito com o ser humano. E tem outras coisas que a gente vai revelar durante a trama.”

Malhação

Você tinha o sonho de estar em Malhação?

“Eu sempre assisti, minha mãe já fez. Com certeza eu já tive esse sonho de fazer televisão, de trabalhar com o ramo da atuação, mas minha vida mudou muito e estou com vários caminhos. Estou com a banda, então agora estou fazendo essas duas coisas paralelas.”

Como você está conseguindo conciliar tudo isso?

“Muita organização, muita agenda. Cada hora, cada compromisso é bem planejado nas semanas anteriores.”

Quais as dicas que você está recebendo do seu pai e da sua mãe?

“Muitas dicas, eu posso sugar muitas coisas deles. Eu agradeço por ter eles como meus pais, porque eu posso agregar e aprender muita coisa com eles.”

Trama

Como o Filipe vê essa história da filha da Rita?

“Ele é um cara que acaba enxergando, por mais que nesse caso ela está indo ‘contra’ a família dele, querendo tirar a irmã dele, a filha da mãe dele… Mas ele tem esse olhar para o ser humano e acaba olhando para a Rita com esse olhar.”

Como foi a preparação?

“Na verdade a gente começou alguns meses antes, tivemos várias sessões de workshops com diferentes grupos e depois mais um workshop com todos que teriam a possibilidade de entrar. Para mim foi essencial, porque eu já estava há alguns anos sem trabalhar com atuação. Trabalhar com a Cris Moura, com a Dani Pereira que é a produtora de elenco e todo mundo. Esse processo foi muito mágico, para poder se conectar com todo mundo. A gente está muito pelo trabalho em si, a gente quer fazer um produto muito bom.”

Você dizia que não queria ser ator, mas voltou atrás, né?

“Eu não queria fazer naquela hora, mas sempre foi uma porta que eu mantive aberta na minha vida para caso um dia eu me interessasse em fazer esse trabalho. Em um dia eu falei que iria tentar, ver qual era a parada. Eu já tinha feito alguns trabalhos que foram bem legais, foi bom ter passado por esses trabalhos para chegar aqui e estar mais ou menos.”

Futuro

O que você espera de Malhação?

“Eu estou focado nesse trabalho, quero fazer esse trabalho bem. Quero usar meu tempo agora para fazer esse trabalho. O que vier depois a gente vai analisar, mas o foco é esse trabalho agora.”

Você faz parte de uma banda, como a música influência na sua carreira de ator?

“Na verdade, eu trouxe muitas coisas da preparação para a música, porque é arte. Eu sempre me conheci sabendo que eu iria fazer alguma coisa com arte. Você consegue perceber semelhanças na arte, tanto na música, tanto em você pintar um quadro e você vê semelhanças que só a arte vai proporcionar, é a arte dentro da arte.”

Você acha que toda forma de amar é válida?

“Eu acho que o amor às vezes é uma coisa instintiva, às vezes é até alguma coisa que você nem percebe. Dar uma filha para adoção é amor? Pode ser um ator de amor de uma preocupação por causa do amor. Eu acho que falar do amor nesses tempos que estamos vivendo é muito importante, porque o amor cura, ele pacifica, ele junta pessoas.

Os jovens estão carentes de amor, a gente precisa falar de amor, falar de toda forma de amar. Eu amo meu tênis, eu posso amar meu tênis, se eu quiser amar a geleia de morango… Você tem que se deixar amar, muitas pessoas não se deixam amar.”

*Entrevista feita pelo jornalista André Romano.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio