Vilã, assassina misteriosa e moça apaixonada: a trajetória de Camila em Órfãos da Terra

Publicado há um ano
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Camila (Anajú Dorigon) é uma das personagens de trajetória mais interessante em Órfãos da Terra, novela das seis da Globo. As autoras Duca Rachid e Thelma Guedes conseguiram criar um tipo capaz de despertar amor e ódio, com atitudes controversas, mas bastante realista. Nestes meses da novela, Camila já foi antagonista, assassina misteriosa, peça-chave no desenrolar de tramas e até heroína apaixonada. Tudo sem parecer forçado.

Inicialmente,
Camila era a pedra no sapato da mocinha Laila (Julia Dalávia) no
Brasil. Quando a prima refugiada chegou ao país, a jovem logo
demonstrou toda a sua insatisfação em dividir a casa com ela e os
familiares. Assim, tornou a vida da heroína um inferno. O ódio à
prima era tanto que levou Camila a acordos controversos com o sheik
Aziz (Herson Capri) e o capanga Paul (Camo Dalla Vecchia).

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Depois, o que parecia apenas uma armação para se livrar da prima se revelou algo muito mais sério e perigoso. E Camila descobriu isso da pior forma, ao passar por maus bocados ao se relacionar com Paul e vê-lo destruir seu pai. As consequências dos atos insanos da jovem a fizeram perceber o mal que causou. Deste modo, Camila foi mudando sua atitude e passou a ajudar a família a se livrar dos vilões. Neste meio-tempo, se descobriu apaixonada pela melhor amiga, Valéria (Bia Arantes). Passou, então, a viver um amor. Porém, quando parecia que as coisas estavam entrando nos eixos, um segredo de Camila vem à tona: foi ela quem matou o sheik Aziz para proteger a mãe.

Camadas

 

Ou
seja, Camila é uma personagem de muitas camadas. Inicialmente
egoísta e ambiciosa, a jovem se mostrava bastante incapaz de pensar
em alguém além de si. Mas os caminhos que escolheu a levaram para
um rumo um tanto sinistro, e Camila foi aprendendo com os erros. Ou
seja, ela evoluiu e se transformou. Sem perder a essência ambiciosa,
mas reforçando os laços de amor, seja entre os familiares, seja na
paixão por Valéria.

Sem dúvidas, o trabalho da intérprete Anajú Dorigon também contribuiu para esta trajetória vitoriosa. A atriz construiu uma Camila possível, dona de contradições tão comuns e inerentes ao ser humano. Assim, a personagem de Órfãos da Terra conseguiu passar ao público uma mensagem bastante positiva. Uma mensagem de esperança na transformação do ser humano como ponto de partida para um mundo melhor.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais