Dilema de Helena sustenta fase final de Laços de Família

A personagem de Vera Fischer vive grande conflito nos capítulos derradeiros

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

As Helenas de Manoel Carlos têm, no geral, seus segredos do passado. A heroína vivida por Vera Fischer em Laços de Família não foge à regra. Nesta reta final muito focada na doença de Camila (Carolina Dieckmann), os dilemas da protagonista ganham foco e sustentam esta fase um tanto mais arrastada.

Ao se ver diante da filha com leucemia e buscando um doador de medula, Helena acaba em um confronto consigo mesma. Afinal, ela escondeu de Camila quem era o seu verdadeiro pai. Além disso, também escondeu de Pedro (José Mayer), seu primo com quem teve um romance, que havia engravidado dele. Ou seja, a urgência do contexto coloca Helena sob pressão.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Como se não bastasse precisar enfrentar todos os segredos do passado vindo à tona, Helena ainda toma uma drástica decisão para salvar a filha. Sem encontrar um doador compatível, ela decide ter mais um filho com Pedro, gerando uma criança que possa vir a salvar a vida de Camila.

Ao tomar esta decisão, Helena tem mais um problema a enfrentar. Vivendo um romance maduro com Miguel (Tony Ramos), ela resolve abrir mão deste relacionamento, já que acredita que o amado não aceitará sua decisão de engravidar do primo. Ou seja, pela segunda vez na vida, Helena abre mão de um amor em nome de sua filha.

Atitude nobre?

Esta fase de Laços de Família abre alguns debates éticos muito interessantes. Afinal, é correto gerar uma nova vida para salvar a vida de outra pessoa? Se a criança gerada com este intuito não fosse compatível, ela ainda seria amada?

Infelizmente, são questões que não são muito aprofundadas, já que Laços de Família as apresenta em seus momentos derradeiros. Além disso, a certeza do final feliz (que – spoiler! – realmente acontece) faz com que a situação não seja abordada por este prisma ético.

Mesmo assim, é interessante notar como colocar suas Helenas diante de dilemas éticos e morais dão força aos folhetins de Manoel Carlos. Não por acaso, a obra do autor perdeu um pouco de encanto em suas tramas seguintes, onde as Helenas da vez não enveredaram para este caminho tão espinhoso.

A Helena de Laços de Família abre mão, sim, da ética. Mas o faz por motivações nobres, que colocam a vida de sua filha à frente de sua própria vida. É isso que a torna uma personagem tão rica, com atitudes tão humanas. É uma Helena forte, coerente dentro de suas próprias contradições.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio