Apesar do formato pouco original, Mestre do Sabor diverte com histórias de vida

Publicado há um ano
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mestre do Sabor, novo reality show de culinária da Globo, foi anunciado como um formato original. Mas a estreia, nesta quinta-feira (10), revelou que não é tão original assim. Trata-se de uma variação do The Voice Brasil, na qual saem os cantores e entram os chefs de cozinha. Mesmo assim, o programa apresentado por Claude Troisgros diverte ao apresentar bons personagens e boas histórias de vida.

A primeira fase de Mestre do Sabor é, assim como o The Voice, uma degustação às cegas. Os chefs José Avillez, Kátia Barbosa e Leo Paixão precisam selecionar competidores para seus times, baseados unicamente em seus pratos. Se mais de um chef aprová-lo, é o candidato quem escolhe qual time quer integrar.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Apesar de não ser necessariamente um problema, a semelhança com o The Voice Brasil incomoda. Faz apenas uma semana que Tiago Leifert anunciou o vencedor da temporada, e a sensação de mais do mesmo é inevitável. Além disso, o formato, ao menos até aqui, não explora as características de cada um dos chefs jurados. José Avillez, Kátia Barbosa e Leo Paixão não são tão conhecidos do grande público. Sendo assim, quando um competidor escolhe fazer parte do time de um deles, não há o mesmo frisson de quando um aspirante a cantor escolhe Ivete Sangalo ou Lulu Santos, por exemplo.

Claude Troisgros e as histórias de vida

No entanto, Mestre do Sabor está longe de ser um programa ruim. Pelo contrário. Muito bem produzido, a atração aposta fundo nas histórias de vida dos participantes. A edição, extremamente bem-feita, conta com eficiência a relação entre os competidores e a comida. Assim, leva o público a torcer por eles. É a boa e velha emoção, força motriz deste tipo de programa.

Além disso, Claude Troisgros se mostrou um anfitrião da melhor qualidade. Carismático, o chef recebe os concorrentes com um afeto genuíno. Seu sotaque francês carregado e sua relação com o fiel escudeiro Batista ajudam a dar ao Mestre do Sabor um ambiente caseiro. Nada mais justo, afinal, trata-se uma competição na cozinha, lugar da casa que costuma agregar.

Assim, por mais que Mestre do Sabor beba em excesso do The Voice, fato é que a atração é bastante eficiente na missão de entreter seu público. E, afinal, é isso o mais importante. O bom elenco, os bons personagens e a produção caprichada devem garantir a diversão da audiência.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio