Henrique Fogaça pagou R$ 10 por foto em cracolândia paulistana

Jurado do Masterchef contou o caso numa live da banda Muqueta na Oreia, falando direto da cozinha

Publicado há um mês
Por Edianez Parente
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Henrique Fogaça, jurado do Masterchef Brasil, tirou ele mesmo a foto que estampa a capa do CD “Pobre Povo” ,de sua banda de punk rock, Oitão. E pagou “dez contos” (R$ 10), como diz, de cachê ao modelo das mãos, um usuário de drogas em uma minicracolândia embaixo de um pontilhão em São Paulo – ele não especificou o local.

A história foi contada pelo próprio chef, convidado na noite da última sexta-feira (7) para uma live para fãs de rock pesado promovida pelo grupo Muqueta na Oreia, quarteto de thrash metal de Embu das Artes (SP).

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Foi um bate-papo cheio de casos do underground paulistano (o submundo alternativo da cidade), algumas gírias e muitos palavrões, com Henrique Fogaça conversando com Ramires, vocalista do Muqueta, diretamente da cozinha de um dos seus restaurantes, o Sal.

Sobre a foto do álbum, o chef disse que no dia procurava por uma mão de estilo “podrona” para a imagem. Segundo ele, havia entre os frequentadores da região vários candidatos interessados no dinheiro, até que ele avistou o dono do par de mãos que ele considerou ideal.

Não é explorando a miséria, obviamente; é um tema da capa do disco, mas é a realidade que se tem nas ruas”, explicou o chef, músico e fotógrafo. “Eu já transitei nesse meio (…), eu fiz questão de mostrar uma realidade através do CD, com essa imagem”. Fogaça disse na live que ficou arrepiado ao lembrar e contar esta história.

O resultado é uma imagem em preto e branco das mãos abertas em forma de pedido, com aspecto sujo, cheias de marcas e sinais de queimaduras, características em geral entre os usuários de drogas como o crack. O álbum em questão foi lançado em 2015. A banda Oitão já está com novas músicas este ano.

Intervalo para a refeição

O trabalho no restaurante seguia a todo vapor durante a live, e Fogaça aproveitou para ele mesmo comer durante a conversa, que incluiu curiosidades sobre as bandas e a amizade entre os músicos.

Na live, ficamos sabendo de particularidades da vida do chef famoso: seu prato favorito é arroz, feijão, farofa, bife acebolado e ovo; ele é dono de um automóvel antigo, um Opala ano 1975; é um colecionador de discos de vinil. A live está aqui e Fogaça entra a partir de 12’50”.

Caneladas

Outra curiosidade pessoal de Fogaça diz respeito aos treinos de muay-thai, arte marcial que ele começou a praticar há mais de 20 anos. O chef lembrou das suas caneladas no esporte, quando chutava sacos cheio de areia, até a perna sangrar. De acordo com ele, o treinamento servia para dar “uma afiada”.

O estrelado chef de cozinha diz não ter preferência entre cozinhar e cantar. “Sabe por quê? É a mesma intensidade, é o mesmo amor. Dois pilares da minha vida, não tem jeito”, afirmou.

“Eu sou rockeiro antes de ser cozinheiro”, disse, lembrando que pretende retomar o trabalho com a sua banda, pois acha que agora consegue fazer tudo com maturidade profissional e com planejamento.

Pai dedicado e síndico do prédio onde mora, o chef e músico diz que descansar não está nos seu planos: “A hora que nós morrer, nós descansa”, avisou. Ele disse ser fã de esporte, música, cozinha, luta, moto, hardcore, e tatuagem. “Pra quem me conhece, é do lixo ao luxo. O meu aprendizado na rua me trouxe todo esse conhecimento”, arremata.

Como empresário, ele também se mostrou indignado com a quantidade de impostos pagos e o mau uso feito pela classe política, a qual ele chama de “vagabundos”.

Ainda, o chef diz estar montando uma instituição através da filha Olívia, acometida por um tipo de epilepsia e hipotonia (doença que diminui o tônus muscular). A meta é fazer um projeto voltado ao uso acessível de canabidiol – substância derivada da Canabis que é utilizada para fins medicinais.

O Muqueta na Oreia anuncia que em agosto receberá músicos de outras bandas, como Ultraje a Rigor e Sepultura em novas lives. Com a série, o grupo quer conscientizar o público da importância em tomar todas as precauções e prevenções para se proteger do novo coronavírus e da Covid-19.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais