IMPASSE

Morto em 2022, ator da Globo revelou desgosto com a emissora: “Muito magoado”

O ator de 74 anos começou a trabalhar na televisão na década de 1970

Publicado em 07/03/2023

Pedro Paulo Rangel morreu no dia 21 de dezembro de 2022 após passar quase dois meses internado na Casa de Saúde São José, no Rio de Janeiro. O ator de 74 anos sofria de DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica) e precisou ser intubado.

Segundo os últimos boletins, Pedro Paulo travava “uma descompensação do quadro de enfisema pulmonar“. O quadro era tido como delicado e inspirava muitos cuidados.

Recentemente, o veterano pode ser visto na reprise da novela O Cravo e a Rosa, 22 anos depois de sua exibição original. Na trama, ele dá vida ao caipira Calixto, um dos destaques.

Sem atuar especificamente em novelas, Rangel ficou bastante recluso durante a pandemia e só voltou a aparecer entre 2021 e 2022, quando o sistema vacinal contra a covid-19 esteve bem avançado.

Pedro Paulo Rangel recentemente ao lado de Cândido Damm e Rodrigo Lima
Pedro Paulo Rangel recentemente ao lado de Cândido Damm e Rodrigo Lima

A última novela em que Pedro Paulo Rangel fez foi Amor Eterno Amor, em 2012, quando interpretou Zé da Carmen. Depois dela, esteve nas séries As Brasileiras e O Dentista Mascarado (2013), na Globo.

Em O Cravo e a Rosa, Calixto é um ‘roceiro’ fabricador de queijos, tio de Lindinha (Vanessa Gerbelli), e que trabalha na propriedade de Petruchio (Eduardo Moscovis) há anos.

Os dois, inclusive, têm uma relação quase que de ‘pai e filho’. No decorrer da história, ele vai se apaixonar por Dona Mimosa (Suely Franco).

O Cravo e a Rosa da Globo
Calixto (Pedro Paulo Rangel) e Mimosa (Suely Franco) em O Cravo e a Rosa (Reprodução/Globo)

Pedro Paulo Rangel fora das novelas e mágoa com a Globo

Em uma entrevista ao jornal O Globo em 2019, Pedro Paulo Rangel se disse sem desejo de atuar especificamente em novelas. “Já cumpri esse carma. Não tenho mais saúde para me dedicar a um trabalho intenso de 11 meses com eventuais externas à noite”, justificou o artista.

Ao Domingo Show, da Record TV, em 2017, o ator comentou que sua saída da Globo era para ser temporária, mas que depois a emissora encerrou seu contrato.

“Hoje em dia, sacudo os ombros para eles. Mas, na época, fiquei muito magoado. Não precisa, uma TV como essa, tão premiada, tão famosa, agir dessa maneira”, contou Pedro Paulo.

Vale lembrar que Pedro Paulo Rangel estreou na TV em 1970 na Rede Tupi. E foi em 1972 que ele migrou para a Globo para fazer sua primeira novela da carreira, Bicho do Mato, já em um papel de destaque.

Ao longo das décadas esteve em inúmeros projetos de sucesso da teledramaturgia, como as primeiras versões de Gabriela e Saramandaia, assim como A Indomada, em 1997, Torre de Babel e Pecado Capital, ambas em 1998.

Pedro Paulo Rangel e Suely Franco em Cama de Gato (Reprodução/Globo)
Pedro Paulo Rangel e Suely Franco repetiram a parceria na novela Cama de Gato (Reprodução/Globo)

Falou sobre doença crônica

Pedro Paulo Rangel conviveu com a doença respiratória crônica desde 2002 até sua morte. Por isso também que, durante a pandemia, optou por ficar em isolamento social pela maior parte do tempo. “Resta-me ficar em casa, esperando, mascarado”, disse ele à revista Veja Rio, em 2020.

Em 2017, Pedro Paulo relatou uma rotina complicada por conta da enfermidade. “Não é falta de ar. É o contrário. É excesso. Fico empapuçado porque não tenho força para expelir o ar do pulmão”, descreveu o ator à reportagem da Record TV.

Pedro Paulo Rangel
Pedro Paulo Rangel

Em maio de 2022, Pedro Paulo Rangel desmentiu boatos de que estaria sem trabalhar. “Vi notícias de que estou doente, que parei de trabalhar. Eu queria desmentir isso. Na verdade, tenho uma doença crônica, DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica), causada pelo cigarro. Isso absolutamente não me impede de trabalhar”, disse ele à coluna da Patrícia Kogut, do jornal O Globo.

O veterano explicou como lida com a enfermidade e como concilia com os novos trabalhos no teatro. “Eu tomo remédios, tenho uma rotina. Faço fisioterapia. Eu só não posso andar muitos metros, não consigo, me dá falta de ar. Mas no palco eu ando perfeitamente”, explicou Pedro, que reestreou a peça O Ator e o Lobo em outubro passado, no Rio de Janeiro, dois meses antes de morrer.

De acordo com o ator, sua aliada para sair às ruas sem desconforto respiratório é uma scooter. “É a maneira que tenho para sair de casa e me locomover. Não quero andar e parar a cada cem metros para respirar. Não sou um inválido que está na cama. Foi muito chato quando li isso. É desagradável“, pontuou.

Pedro Paulo Rangel é Calixto em O Cravo e a Rosa
Pedro Paulo Rangel é Calixto em O Cravo e a Rosa