Compre iPhone SE na Apple a partir de R$ 3.779,10 à vista ou em até 12 vezes. Frete grátis para todo o Brasil
Saiba mais
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
crítica

Ator de O Clone detona papel em novela de Aguinaldo Silva: “Era péssimo”

Eri Johnson revelou qual personagem menos gostou de fazer na TV

Publicado em 05/04/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Eri Johnson pode ser visto atualmente na reprise de O Clone na Globo. O ator, que hoje tem 60 anos de idade, interpreta na trama de Gloria Perez o mecânico charlatão Ligeiro.

Sem fazer uma novela desde 2019, quando esteve em Topíssima, da Record TV, o ator participou do programa de estreia da nova temporada do Foi Mau na RedeTV! nesta segunda-feira (4).

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Com bom humor, Johnson fez revelações sobre os mais de 40 anos de carreira incluindo TV, teatro e cinema.

Uma delas foi a história já contada em outras ocasiões, como no Que História É Essa, Porchat?, no GNT, que se referia a sua primeira participação na televisão como figurante em Dancin Days (1978).

Com a ajuda de colegas, ele conta ter conseguido entrar como ‘penetra’ nas gravações da trama de Gilberto Braga. “Não tinha agência, não tinha nada, isso por uns três ou quatro meses. Queria muito aparecer”, confessa Eri, que desde então participou de diversas produções que marcaram época. 

Ligeirinho (Eri Johnson) em O Clone

Qual novela menos gostou de fazer?

Ao comentar sobre o trabalho que menos o agradou durante a trajetória como ator, Eri Johnson foi ‘direto e reto’: “‘Fina Estampa’. Para mim foi péssimo, o papel era muito fraco”, declarou o artista relembrando a novela exibida na Globo entre 2011 e 2012.

No folhetim de Aguinaldo Silva, Eri interpretava o jogador de vôlei Gigante. “Chegava em casa e o porteiro até perguntava: ‘E novela, nunca mais?’. Tinha acabado de lançar…”, brinca ele, referindo-se à baixa repercussão do personagem.

Ainda no programa liderado por Maurício Meireles, Eri Johnson disse que a paixão pela teledramaturgia surgiu logo no primeiro contato.

Meu negócio está aqui nessa magia da televisão, essa coisa de viver vários personagens, várias personalidades. Eu falei: ‘Não é futebol, é isso aqui”, garante ele que, vascaíno, já havia tentado seguir carreira dentro de campo.

Eri Johnson e Carlos Machado em cena da novela Fina Estampa

Leia outros textos desta colunista.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....