‘Remake disfarçado’ de Dona Xepa, Lua Cheia de Amor chega aos 30 anos

Joana Fomm seria a estrela, mas foi preterida em favor da fama internacional de Marília Pêra

Publicado há um mês
Por Fábio Costa
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Situação atípica, em pleno dezembro de 1990 a TV Globo estreou uma nova novela – a do horário das 19h. Após algumas indefinições que quase a fizeram ser atração da faixa das 18h, Lua Cheia de Amor substituiu Mico Preto no segundo horário de folhetins inéditos da casa – à época, iniciado por volta das 18h50.

Em 1977, a emissora havia exibido às 18h com bastante sucesso a novela Dona Xepa, escrita por Gilberto Braga a partir do texto teatral homônimo de Pedro Bloch, àquela altura também já transposto para o cinema com Alda Garrido no papel-título. A Xepa da TV foi Yara Cortes.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em 1990, Dona Xepa foi resgatada numa ‘reedição disfarçada’, que contou com outros personagens e entrechos, desenvolvida pelo trio Ana Maria Moretzsohn, Ricardo Linhares e Maria Carmem Barbosa. Gilberto Braga figurou como supervisor de texto, devido à sua experiência anterior com a história que servia de ponto de partida.

De feirante a camelô

A antiga Dona Carlota, ou Xepa, feirante que batalhou duro para criar os dois filhos depois de ser abandonada pelo marido, reapareceu como Genuína, ou Genu (Marília Pêra), e de legumes na feira passou a vender panelas e utensílios como camelô, depois que o esposo irresponsável perdeu no jogo a loja de artigos de louça da família.

Seus filhos eram Rodrigo (Roberto Bataglin) e Mercedes (Isabela Garcia). Os dois tinham vergonha da pobreza e da mãe, a despeito de todos os sacrifícios feitos por Genu desde sempre, e queriam ascender socialmente.

Em seguida a seu sucesso como a malvada Perpétua de Tieta (1989/90), escrita também por Ana Maria e Ricardo, com Aguinaldo Silva, Joana Fomm foi a escolha inicial para o papel de Genuína. Mas atriz acabou sendo substituída por Marília Pêra no posto.

Como resultado de um planejamento que vinha desde 1987, a TV Globo fez Lua Cheia de Amor em regime de coprodução com as emissoras europeias Televisión Española (RTVE) e Televisão Suíça de Lugano (RTSI). De maneira que a fama internacional de Marília, devido a trabalhos como o premiado filme Pixote – A Lei do Mais Fraco (1980), de Hector Babenco, pesou a seu favor.

Arlete Salles vivia a engraçada Quitéria Jordão, ou Kika, como preferia ser chamada. Deslumbrada e sonhadora, Kika era obcecada pelas colunas sociais, em especial Laís Souto Maia (Susana Vieira), de quem desejava se aproximar. Expressões como “Fofa” e “Translumbrante” caíram na boca do povo, graças ao sucesso da personagem.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio