Haja Coração e outras novelas que mudaram os títulos de suas versões originais

Em alguns casos, novas versões das mesmas histórias ganham nomes diferentes

Publicado há 14 dias
Por Fábio Costa
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em 2016, a TV Globo exibiu às 19h a novela Haja Coração, de Daniel Ortiz, atualmente em edição especial no mesmo horário. A base da história, que recebeu aqui uma releitura adaptada, foi Sassaricando, de Silvio de Abreu, exibida em 1987/88 e atualmente também em reprise, no Canal Viva.

Na ocasião, a justificativa para a mudança no título foi a alteração do foco do enredo, que ao invés de eminentemente cômico a exemplo da produção dos anos 1980 teria agora os conflitos românticos dos personagens como centro.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O saçarico de Aparício (Alexandre Borges) teria destaque, mas o triângulo formado por Tancinha (Mariana Ximenes), Beto (João Baldasserini) e Apolo (Malvino Salvador) é que seria o entrecho central. Fora outros romances, reaproveitados ou criados do zero, a exemplo de Shirlei (Sabrina Petraglia) e Felipe (Marcos Pitombo), inexistentes em Sassaricando.

Nesta semana, Curiosidades da TV trata no Observatório da TV desse tema: novas versões, releituras ou o que seja, que modificam os títulos das obras que as originaram. Entre muitos casos, temos Camomila e Bem-me-quer, que virou Amor com Amor se Paga; A Barba Azul, convertida em A Gata Comeu; Nossa Filha Gabriela, que passou a Hipertensão.

Os três exemplos acima são de obras de Ivani Ribeiro. No SBT, Meus Filhos, Minha Vida foi refeita como Razão de Viver. As novelas A Pequena Órfã (TV Excelsior) e Ídolo de Pano (TV Tupi), conjugadas para um novo projeto na TV Globo, formaram Sonho Meu. A mesma A Pequena Órfã também serviu de base a parte da história de Prova de Amor.

Cidadão Brasileiro, de Lauro César Muniz, resgatou na Record TV o projeto de Escalada, da Globo. Produzida nos anos 1960, A Indomável originou O Machão na década de 1970, e em 2000 ressurgiu como O Cravo e a Rosa. A inspiração de todas? Shakespeare. Confira o vídeo!

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais