Compre iPhone SE na Apple a partir de R$ 3.779,10 à vista ou em até 12 vezes. Frete grátis para todo o Brasil
Saiba mais
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
LEMBRA DELA?

Lançar Insatiable foi estopim da crise de conteúdo e credibilidade na Netflix

Comédia duramente criticada marcou o começo da era de pasteurização na gigante do streaming

Publicado em 29/04/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Você lembra de Insatiable? A comédia da Netflix lançada em 2018, sobre uma adolescente que sofria bullying por estar acima do peso, entrou para a história como uma das piores séries da gigante do streaming. Segundo fontes ouvidas pelo site The Hollywood Reporter, a atração foi responsável por iniciar onda de projetos ruins na empresa, sendo o estopim da crise de conteúdo e credibilidade que perdura até hoje, a era da pasteurização.

A história acerca da aprovação de Insatiable na Netflix é a chave para entender porque tanta série capenga é produzida, cujo destino é o cancelamento precoce, muitas vezes após a primeira temporada. Uma fonte disse à reportagem que executivos da empresa enxergam tal cenário com bons olhos, pois “se uma em cada dez séries der certo”, então tudo bem.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Seleção apurada

Para compreender bem o que rolou por trás da cortina é importante conhecer Cindy Holland. A executiva trabalhou durante 18 anos na Netflix. Quando a empresa passou a investir em produção de séries, já no modelo streaming, ela assumiu a posição de ser a curadora dos projetos a serem lançados. Tinha o cargo de vice-presidente de conteúdo original.

Cindy, por exemplo, aprovou e gerenciou a realização das quatro séries que ajudaram a Netflix ganhar o status de ser uma plataforma de respeito em Hollywood: House of Cards (2013-2018), Orange Is the New Black (2013-2019), The Crown e Stranger Things

Além disso, ela intermediou a contratação da showrunner Shonda Rhimes e ajudou a Netflix superar, pela primeira vez, a HBO em indicações em uma edição do Emmy.

A fama de Cindy Holland nos corredores da Netflix era de ser expert em escolher atrações de alto padrão (e também de custo elevado aos cofres da empresa, registra-se). Em meados da década passada, nos primeiros anos da plataforma no mundo da produção de entretenimento, de fato existia a sensação de que a Netflix tinha um apuro de respeito na encomenda de produções

Cindy Holland (à esq.) e Bela Bajaria

Rivalidade e virada no jogo

Em 2016, a Netflix contratou uma executiva experiente para ajudar na aprovação de mais projetos, pois a empresa visava o crescimento. Era uma época que o horizonte apontava para a perda de série de terceiros (como Friends) e o serviço teria de preencher esse buraco com atrações próprias.

Chegou então Bela Bajaria, ex-Warner Bros. e Universal. Tanto Cindy quanto Bela tocavam as análises de novas séries. Tudo ia bem até Insatiable aparecer.

A série tinha sido rejeitada pela The CW (TV aberta americana) após os executivos da rede assistirem ao primeiro episódio. A comédia foi oferecida para a Netflix, mas Cindy rejeitou. Então, Bela entrou na conversa e passou por cima da decisão da colega executiva, aprovando a série e pedindo a produção de 13 episódios para a primeira temporada.

De acordo com funcionários da Netflix ouvidos pela The Hollywood Reporter, aí iniciou a produção em massa de séries com conteúdo questionável (ruim, no português mais claro). “Começou um processo de aprovar séries baratas, sem apelo e de qualidade baixa”, revelou uma fonte.

Insatiable sofreu críticas aos montes. Os comentários negativos foram de todas as ordens, mirando o elenco péssimo, trama de gosto duvidoso e história sem sentido. No site Metacritic, que compila reviews da imprensa de língua inglesa, a comédia tem uma das piores notas já publicadas: 25 (de 100).

Apesar de tudo isso, a alta cúpula da Netflix não se incomodou. Insatiable teve uma performance suficientemente boa entre os assinantes e a segunda temporada foi encomendada.

Saída de Cindy da Netflix

Uma fonte descreveu para a reportagem o cenário nos corredores da Netflix naquele tempo. “Aquilo acabou dando poder para qualquer pessoa aprovar uma série, causou caos e desmoralização absoluta. Todos acharam péssimo Ted Sarandos [o chefão da Netflix] apoiar a escolha de Bela sendo que outra executiva [Cindy] tinha rejeitado a série.”

Cindy foi perdendo espaço, pois Ted buscava mais Bela para lançar novas atrações. Essa estratégia de priorizar a quantidade ao invés da qualidade deixou Cindy chateada. A situação embaraçosa chegou ao fim em setembro de 2020.

Havia uma vaga aberta de vice-presidente global de televisão (diretora de séries mundiais) na Netflix. Cindy Holland e Bela Bajaria eram as principais candidatas para ocupar o cargo. Ted Sarandos escolheu Bela. E Cindy deixou a empresa, notícia que chocou Hollywood.

E a Netflix passou a ser conhecida como máquina de triturar séries. A vítima mais recente é a comédia Pretty Smart, cancelada após uma única temporada. Como a plataforma encerra séries precocemente, os assinantes criaram o hábito de passar a acompanhar uma atração somente após ela ser renovada para a segunda ou terceira temporadas. ⬩

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....