Mais do que você gosta.
Assine o Star+
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
DRAMA DE AÇÃO

Como ex-militares ajudaram A Lista Terminal ser mais autêntica e menos fake

Fuzileiros navais dos EUA participaram da série nos bastidores e na frente das câmeras

Publicado em 30/06/2022
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

O Prime Video lança, na sexta-feira (1º), o drama A Lista Terminal, mais uma produção militar solta na órbita hollywoodiana. Para se diferenciar das demais, além da narrativa mirabolante, a série protagonizada por Chris Pratt contou com ex-fuzileiros navais interferindo em todas as cenas de ação, à frente ou atrás das câmeras. Tudo em prol da autenticidade e contra recursos fakes tão comuns na indústria do entretenimento americana.

Em A Lista Terminal, Chris Pratt interpreta o tenente James Reece, comandante de uma equipe de operação dos Navy Seals (os fuzileiros navais dos Estados Unidos). A base da trama é uma emboscada que a equipe chefiada por Reece sofre durante missão na Síria. Os eventos daquele dia o levam a acreditar em uma conspiração armada contra ele. Ou pode ser que o trauma da guerra faça o militar ter alucinações, levando-o ao delírio.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

A série é baseada no livro homônimo escrito por Jack Carr, ele mesmo em ex-fuzileiro naval, servindo aos EUA no Iraque e Afeganistão. Pratt, que também é produtor executivo da atração, agiu para que houvesse militares presentes durante as gravações, com o poder de palpitar. O ator falou sobre isso em entrevista ao site Entertainment Weekly.

“Eles [os ex-fuzileiros] analisaram todas as cenas de ação, avaliando se estavam próximas da realidade ou não”, revelou Pratt. Os militares deram dicas sobre como realmente funcionam as operações táticas no campo de batalha, como é a interação com outros combatentes em uma missão, o jeito certo de segurar um revolver…

Pratt comentou que a liberdade de intervenção era total, como se fossem diretores. “Eles sempre diziam coisas tipo: ‘Não, precisamos gravar de novo por causa disso’ ou ‘Sua mão na arma estava na posição errada na cena’ ou ‘incline o seu corpo desse jeito.’”

Chris Pratt na pele do militar James Reece em A Lista Terminal

A Lista Terminal começa logo com uma sequência de ação intensa, ambientada em túneis, imitando uma galeria pluvial (de esgoto) na Síria. Na verdade, tudo não passou de uma construção erguida nos estúdios da Paramount, em Los Angeles. A cena, com poucos minutos na tela, demorou cinco dias para ser gravada.

“Ali, só eu e um ou outro cara éramos atores profissionais. O resto era tudo ex-militares”, contou Pratt. “O nível de autenticidade foi muito real”. 

Valeu todo esse investimento porque o resultado ficou excelente. Eles acabaram eliminando aqueles truques hollywoodianos que estamos acostumados a ver. O que contribui para a série ficar mais autêntica.”

Todos os oito episódios da primeira temporada de A Lista Terminal entram no Prime Video na sexta-feira (1º); veja o trailer:

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....