Entrevista

No ar em Pega Pega, Marcos Veras considera Domênico uma nova experiência: “Meio galã”

O ator guarda boas lembranças deste trabalho

Publicado em 05/10/2021

Em Pega Pega, Marcos Veras viveu uma experiência diferente em sua carreira. “Um personagem meio galã”, como o próprio descreve. Preparação intensa, noturnas que movimentaram a praia de Copacabana também fazem parte das boas lembranças deste trabalho.

Destaque na edição especial da novela, o artista revela a importância que o policial Domênico tem em sua carreira. “Me trouxe muita coisa, muito reconhecimento, porque é um personagem diferente do que fiz na televisão. Domênico é sério, honesto, mas lembro que rolou muita brincadeira porque fiz cenas sem camisa, algo que eu não estava acostumado a fazer na televisão. Foi espécie de um trabalho novo, em um habitat novo para mim. Me trouxe mais versatilidade na carreira”, comenta Veras.

Em papo, ele ainda relembra o clima de descontração do elenco na época das gravações e as amizades que cultiva: “São tantas lembranças… Primeiro que o chat que temos desde a novela é um dos mais ativos que tenho, sempre nos falamos”.

Qual a importância do Domênico na sua carreira?

É uma novela que me trouxe muita coisa, muito reconhecimento, porque é um personagem diferente do que fiz na televisão, um personagem meio galã. Domênico é sério, honesto, mas lembro que rolou muita brincadeira porque fiz cenas sem camisa, algo que eu não estava acostumado a fazer na televisão. Foi espécie de um trabalho novo, em um habitat novo para mim. Me trouxe mais versatilidade na carreira.

O que mais te marcou na época das gravações?

Tenho muito prazer de ter feito essa novela, me trouxe muitas amizades que cultivo até hoje. São tantas lembranças… Primeiro que o chat que temos desde a novela é um dos mais ativos que tenho, sempre nos falamos. A novela foi em 2017 e até hoje falamos de Pega Pega e de qualquer outro assunto. Muitos atores voltaram a trabalhar juntos em outros trabalhos. Alguns se encontram só virtualmente, outros pessoalmente. Era uma novela que tratava de um assunto de ação, ação policial contra o crime, contra o furto, o roubo, mas ela não era violenta. Ela tinha humor, leveza.

Guarda alguma recordação do Domênico, como peça de roupa ou objeto?

Eu guardo um anel. O Domênico usava um anel que guardo até hoje comigo.

Lembra de alguma situação que marcou você nos bastidores da novela?

Eu estava gravando uma noturna em Copacabana e era meu aniversário, e fui surpreendido com a produção de uma pequena festa, com bolo e tudo. Estava fazendo o que eu amo, que era trabalhar com a minha profissão, mas lembro que era uma madrugada cansativa porque essa novela teve muitas noturnas. Foi um dia que me marcou muito.

Como foi a parceria com a Vanessa Giacomo?

Foi incrível, nos tornamos amigos durante a novela, amizade que dura até hoje. Vanessa é uma pessoa que eu já admirava e, a partir do momento que comecei a trabalhar com ela, admirei mais ainda. É uma pessoa muito apaixonada pelo que faz, excelente atriz, muito parceira de cena. A maioria das minhas cenas era com ela, e foi muito rica a parceria. Brincávamos muito nos bastidores, passávamos o dia inteiro juntos, nas cenas e fora das cenas, estudávamos juntos. Uma das melhores parceiras que já tive na televisão. E que virou amiga.

Pega Pega é escrita por Claudia Souto, com direção artística de Luiz Henrique Rios, direção de Ana Paula Guimarães, Dayse Amaral Dias, Luis Felipe Sá, Noa Bressane, e direção geral de Marcus Figueiredo.