Santos de casa: novelas que, como Apocalipse, tiveram mais êxito no exterior que em sua ‘tela natal’

Publicado há um ano
Por Felipe Brandão
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Santo de casa não faz milagre, afirma o dito popular. Muitas atrações da TV nacional já sofreram o dissabor de não agradarem o próprio público para que foram diretamente concebidas. Mas e quando uma determinada novela, rechaçada por sua audiência-mãe pelos mais diversos motivos, acaba sendo bem melhor acolhida em outros territórios?

É exatamente o que vem acontecendo com Apocalipse, trama bíblica da Record TV, desde sua estreia nos Estados Unidos. Apenas em sua primeira semana, a saga do fim dos tempos impactou quase 700 mil espectadores norte-americanos, tornando-se o programa mais visto do canal hispânico UniMás naquele período. Por lá, a história vai ao ar dublada em espanhol, sob o título traduzido de Apocalipsis.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Tal feito é uma surpresa, já que, cerca de um ano atrás, o grupo Univisión – ao qual a emissora em questão pertence – vetou a exibição de Apocalipse, optando por escalar a novela mexicana Like, La Leyenda, considerada a versão moderna de Rebelde, para sua grade noturna.

Vejamos outros exemplos de novelas que tiveram que ‘migrar’ para o exterior a fim de fazer jus ao êxito que não tiveram aqui.

Joana (Milena Toscano) e Zac (Igor Rickli) de O Rico e Lázaro (Divulgação/Record)

O Rico e Lázaro

Atualmente em reprise na Record TV, a saga de Joana (Milena Toscano), Asher (Dudu Azevedo) e Zac (Igor Rickli) teve repercussão bastante modesta em sua transmissão original, derrubando de 15 para 10 pontos a média de sua antecessora, A Terra Prometida.

Tal insucesso, no entanto, não desanimou a Univisión – cliente assídua do filão bíblico de Edir Macedo desde Os Dez Mandamentos (2015) – de investir em mais esse título do catálogo tupiniquim. Sábia decisão: O Rico e Lázaro liderou várias vezes o prime time do Tio Sam, a ponto de seu protagonista, Dudu Azevedo, ter viajado ao país para participar de programas locais.

Jesus (Dudu Azevedo) durante a Santa Ceia (Divulgação/ Record TV)

Jesus

Como já dizia o próprio Cristo na Bíblia Sagrada, “não há profeta sem honra, senão na sua pátria (…) e na sua casa” (Marcos 6:4). No Brasil, o folhetim bíblico da Record TV teve o mérito de levantar os baixos índices de suas duas antecessoras diretas, Apocalipse e Lia. Mesmo assim, não conseguiu um desempenho além do razoável na audiência nacional, ficando sempre em terceiro lugar e enfrentando sucessivas derrotas para a infantil As Aventuras de Poliana, do SBT.

Nos EUA, porém, a repercussão foi bem maior. A história de Jesus Cristo (Dudu Azevedo) rompeu recordes de sintonia no canal hispânico Univisión, onde foi ao ar no horário nobre, tornando-se inclusive a novela brasileira mais assistida da história da TV norte-americana.

Fernanda Vasconcellos e Marjorie Estiano em A Vida da Gente (Divulgação/ TV Globo)

A Vida da Gente

Esta trama de 2011, que marcou a estreia de Lícia Manzo como autora de folhetins, foi unanimidade entre a crítica especializada a seu tempo. O mesmo entusiasmo, porém, não se verificou nos números do Ibope, onde a novela amargou baixo desempenho da estreia ao último capítulo.

Uma injustiça que o mercado internacional tratou de corrigir. Reeditada em uma versão mais curta, com 77 capítulos (a exibição original contou com 137), A Vida da Gente foi exportada para mais de 100 países, tornando-se líder de audiência em muitos deles e superando em vendas internacionais êxitos do calibre de Terra Nostra (1998) e O Clone (2001). Nada mal, hein?

Laura (Marjorie Estiano) e Isabel (Camila Pitanga) de Lado a Lado (Divulgação/TV Globo)

Lado a Lado

Algo similar aconteceu com essa outra novela das seis. Muito elogiada por sua retratação histórica, esta trama-debute de Cláudia Lage e João Ximenes Braga é dona de uma das piores médias de audiência da história da Globo, na faixa em que foi ao ar.

No exterior, porém, a situação foi outra. A saga feminista de Isabel (Camila Pitanga) e Laura (Marjorie Estiano) foi exportada para países como Chile, Costa Rica, Moçambique, Croácia, Coreia do Sul e até os Estados Unidos, onde chegou a liderar a sintonia do canal hispânico MundoFox. De quebra, ainda faturou o Emmy Internacional de Melhor Novela em 2013.

Nanda Costa protagonizou Salve Jorge – ou La Guerrera, nos países hispânicos (Divulgação)

Salve Jorge

Rejeitada pelo público e espezinhada pela crítica, a história criada por Glória Perez derrubou os índices de Avenida Brasil, sua antecessora no horário nobre da Globo, de 39 para 34 pontos. No exterior, porém, é lembrada com uma das mais assistidas atrações brasileiras da última década, transformando, inclusive, a atriz Nanda Costa na queridinha da mídia de vários países.

A novela infantil mexicana Alegrifes e Rabujos (Divulgação / SBT)

Alegrifes e Rabujos

Se aqui no Brasil são muitos os exemplos de folhetins que deram mais certo lá fora do que aqui, o inverso também já aconteceu. Em 2004, animado com o êxito da novela infantil Amy, a Menina da Mochila Azul, o SBT decidiu dar uma chance a outro título de conteúdo similar do catálogo da Televisa: Alegrifes e Rabujos.

Uma aposta considerada arriscada, uma vez que a história – que misturava bruxas malvadas, histórias de ‘terror’ e fantasmas de efeitos visuais duvidosos – havia sido um retumbante fracasso no próprio México, como também em cada um dos demais países que insistiram em exibi-la.

Mas não é que deu certo? Alegrifes e Rabujos não só segurou, como ainda elevou a média herdada de sua antecessora no canal de Silvio Santos. O êxito da trama importada entre as crianças daqui foi tão interessante que vários brinquedos foram produzidos com base em seus personagens.

Eriberto Leão e Paolla Oliveira estrelaram Insensato Coração (Divulgação / Globo)

Insensato Coração

Esta segunda parceria entre Gilberto Braga e Ricardo Linhares – a primeira fora Paraíso Tropical (2007) – foi ao ar num período de crise de audiência para o horário nobre da Globo. Talvez por isso – e também por alguns pontos de fato problemáticos da obra -, demorou a engrenar no Ibope e terminou com uma média apenas mediana.

Até por conta desse fator, pode-se dizer que a repercussão de Insensato Coração no mercado internacional tenha sido surpreendente, embora não tão fenomenal. Transmitida para mais de 30 países, a obra fez tanto sucesso no Uruguai que acabou tendo seu final transmitido em sessões exclusivas de cinema para os fãs mais ardorosos.

Na Argentina, ela foi escalada para substituir o êxito Avenida Brasil e mostrou-se à altura de segurar o público herdado da história de Nina (Débora Falabella).

Junior e Luz de O Sétimo Guardião (Foto: Globo)

O Sétimo Guardião

Não é novidade para ninguém que a última trama de Aguinaldo foi um retumbante fracasso por aqui. Em Portugal, porém, sua trajetória foi bem diferente: O Sétimo Guardião bateu recordes na Globo Internacional e chegou a figurar entre as atrações mais vistas da TV paga da ‘terrinha’, superando tramas como Por Amor (1997), O Cravo e a Rosa (2000) e Verão 90.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais