Profissão Repórter visita a região de Mariana (MG) um ano após a maior tragédia ambiental do Brasil

Publicado há 4 anos
Por Endrigo Annyston
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No dia 5 de novembro de 2015, um mar de lama engoliu tudo o que tinha pela frente. O subdistrito de Bento Rodrigues, a 35 quilômetros de Mariana (MG), foi inundado pelos rejeitos de mineração da barragem de Fundão, controlada pela mineradora Samarco, e virou cenário do maior desastre ambiental do país. Um ano depois do acidente, a equipe do Profissão Repórter chega à região para conhecer histórias de quem enfrentou o drama e de quem ainda está refém dos danos causados pela tragédia.

Em Bento Gonçalves, outro distrito próximo, Benedito Valadares criava animais em sua propriedade, com a mulher Maria do Carmo. Depois da destruição causada pelo rompimento da barragem, seus animais foram levados para o alto de um morro e, agora, aos 74 anos, ele tem de andar 30 quilômetros por dia para cuidar deles. Da mineradora, o casal recebe R$ 1,4 mil por mês, mas sofre por não ter a vida e a casa de antes.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Além dos aspectos materiais, os psicológicos também dão sinais. Os postos de saúde de Mariana já atendem 150 pessoas para tratamento psicológico e psiquiátrico. A repórter Mayara Teixeira encontra a pequena Jamily, de 10 anos, que perdeu a vida rural e não tem se acostumado à vida na cidade, o que a tem deixado mais quieta e ansiosa. “O olhar da Jamily é muito singelo, mas o que me chamou muita atenção é que ela tem muita raiva, detesta a empresa Samarco e está perdendo a infância. Ela teve que ir à casa, uma semana depois do acidente, para esconder as bonecas e os brinquedos, porque as pessoas estavam saqueando”, conta Mayara. Outro caso marcante é o de Julio, que morava em Paracatu de Baixo e já sofria com a dependência do crack. “Com a perda da casa e do emprego, ele teve de se mudar para Mariana, ao lado da droga, e tem o dinheiro que recebe da mineradora; então, já teve várias recaídas”, explica a repórter.

Para não esquecer o que aconteceu, os moradores desalojados costumam visitar o que sobrou das casas e preferem que o cenário da tragédia permaneça intocado. O programa retoma a história de Monica, que foi contada ano passado e que, agora, é uma das líderes do grupo que representa os atingidos pelo desastre. “Ela visita Bento Rodrigues todos os fins de semana, e toda aquela ruína é muito simbólica para ela. Ela diz que muda a semana dela quando visita aquele lugar”, conta Mayara.

Mas uma obra polêmica planejada pela Samarco deve alagar parte de Bento Rodrigues. A empresa diz que a construção de um novo dique, o S4, é única forma de impedir que os rejeitos que estão na área de Bento Rodrigues contaminem os rios da região. Porém, documentos obtidos com exclusividade pelo repórter Estevan Muniz contestam a eficiência do dique em conseguir conter os rejeitos de minério. “Fui lá três vezes, desde agosto, para ver o que a Samarco estava fazendo em relação às questões ambientais e vimos que a lama ficou lá e as obras que têm sido feitas possivelmente não vão ser eficientes. Estive lá um ano atrás e a sensação que tenho é que está tudo igual, um ano se passou e as coisas não mudaram, a lama está lá, as pessoas continuam vivendo aquele drama”, reforça Muniz.

O Profissão Repórter vai ao ar às quartas-feiras, depois do futebol.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio