O Sétimo Guardião: Luz recua a promete pensar sobre trabalhar em biblioteca; veja por quê

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em O Sétimo Guardião, na Globo, Luz (Marina Ruy Barbosa) recebeu uma proposta para trabalhar na nova biblioteca de Serro Azul. No entanto, esse é um artifício de Júnior (José Loreto), que é o secretário de Educação e Cultura e quer tê-la por perto. Apesar de recusar a oferta em um primeiro momento, após uma conversa com Sóstenes (Marcos Caruso), ela prometerá pensar sobre o tema. Confira.

“Não vou aguentar isso, vô! Ficar com o Júnior colado no meu cangote, me sufocando, na casa que é, por direito, do Gabriel, não dá!”, afirmará Luz. “Se está assim por causa do Gabriel, estou certo que ele tem maturidade pra entender a situação e te dar todo apoio”, rebaterá Sóstenes. “Não é só por causa dele. É por mim. Isso é um abuso, vô! A ideia da biblioteca é ótima, o problema é que não é nas pessoas de Serro Azul que Júnior está pensando…”, explicará.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Veja também: Valentina comemora desapropriação do casarão de Egídio, em O Sétimo Guardião, na Globo

“Meu conselho é que não se precipite, não peça exoneração. Aceite o desafio. Afinal, você adora os livros!”. “Isso é só pretexto, é a isca que o Júnior inventou para tentar me capturar”. “E acaso você é mulher de se deixar apanhar? Cabe a você colocar o Júnior no seu devido lugar, impondo seus limites”.

Ainda nesta cena de O Sétimo Guardião

“Não sei se eu devia ceder. Casos de assédio e violência começam assim. Isso tudo já virou uma obsessão do Júnior, doentia e perigosa”, avaliará. “Nem eu, nem Gabriel deixaremos que nada de mal te aconteça. Depois, esse é o meio para chegar ao seu sonho, que é ser professora. Se pedir exoneração, vai abrir mão disso”.

“Dar aula não é catalogar enciclopédia, vô. “Pensa na chance que vai ser escolher os livros para seus futuros alunos. Através da leitura, um mundo novo vai se abrir pra essas crianças!”, falará Sóstenes. “Talvez a causa valha o risco assumido… Não sei, vô. Preciso pensar”, concluirá a mocinha, menos irredutível.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio