O Outro Lado do Paraíso: Samuel descobre que Suzy o traiu com Helder: “Adúltera”

Publicado há 3 anos
Por Nucia Ferreira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Com a consciência pesada por ter tido um caso com Helder (Carlos Bonow), Suzy (Ellen Roche) não vai conseguir esconder a traição de Samuel (Eriberto Leão) em O Outro Lado do Paraíso.   A enfermeira começa a chorar em casa e Adinéia (Ana Lúcia Torre) pergunta se ela está com alergia. “Não é alergia à senhora, dona Adinéia”, diz a loira toda chorosa. “É emoção, mamãe. Pela nossa felicidade conjugal”, acredita Samuel.

Só que a enfermeira não vai resistir e vai dizer o verdadeiro motivo das lágrimas. “Bem…não é só emoção, Samuel”, começa. “Então há algum problema, Suzy?”, pergunta o psiquiatra. “Que problema? Essa aí chora por uma unha encravada. Queria que tivesse tido minha vida. Eu me matei pra criar você e teus irmãos, Samuel. Mas essa aí chora porque tá com a vida ganha”, debocha Adinéia.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Samuel fica irritado com a mãe. “Mãe, não seja cruel com a Suzy. Ah, Suzy, deve ter algum motivo para estar chorando”, quer saber. “Samuel, é tão gentil, tão bom comigo. Cê não me merece”, diz.  “Mereço, e você me merece. Tivemos a Tigrinha. Temos uma vida em família. Como você queria”, lembra.  “Eu sei, eu sei.  Eu te traí, Samuel. Com o doutor Helder. Ele começou pegando meus pés e eu não resisti”, conta.

Leia mais: Suzy e Samuel revelam suas traições um ao outro e briga vira circo

Adinéia defende a nora.  “Nunca gostei daquele médico. Mas meu filho, não vá perder um casamento por causa de um desvario da tua mulher. Seduzida por aquele tarado. Foi uma vez só, foi?”, diz a velha. “Bem. Duas… Três ou quatro. Eu não sou muito boa em matemática, mas não chegou a dez”, afirma. “Dez?!”, se assusta Adinéia.

Samuel decide se pronunciar. “Tudo bem. Enxugue suas lágrimas, Suzy”, fala.  “To destruída de remorso. E cê me trata com generosidade. Vai me perdoar, ai que bom”, acredita. “Tudo bem te perdoar. Eu também te traí”, lembra o médico. “O quê?”, se assusta. “Com o Cido. Nos encontramos várias vezes atrás do posto de gasolina onde ele trabalha. Eu gosto do cheiro de graxa”, conta.  “Canalha. Safado. Eu te mato!”, diz, atirando um objeto no marido.  “Eu é que devia te matar. Você me traiu. Eu voltei ao armário por sua causa, adúltera!”, grita.  “Ah, voltou pro armário, mas deixou as portas abertas! Tigrete!”, retruca a enfermeira. “Tigrete não”, protesta o médico.  “Tigrete!”, continua a loira.  “Piriguete!”, detona Samuel.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio