“Militarismo me ajudou”, diz JP Gadelha sobre participação no The Circle Brasil

Terceiro colocado do reality show, baiano de 31 anos admite ter sofrido durante o confinamento na Inglaterra

Publicado há 9 meses
Por Felipe Brandão
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Difícil ter acompanhado o The Circle Brasil e não se lembrar de João Paulo Gadelha. A beleza, a transparência e o carisma do pernambucano de 31 anos alçaram-no ao posto de galã do reality show da Netflix, do qual ele saiu, na semana passada, com o terceiro colocado.

Quando você se expõe num reality show dessa magnitude, você está ciente que críticas vão surgir e que as pessoas vão tentar te menosprezar. Posso agradar um público e não agradar outro“, analisou o bonitão, em entrevista ao portal UOL.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Gadelha enveredou pela carreira militar aos 18 anos, em Recife (PE), cidade onde nasceu. Ele, que também já morou em Goiânia (GO) na infância, atualmente reside em Feira de Santana (BA). Embora sua quantidade de seguidores tenha aumentado muito após participar do The Circle, ele já goza há tempos de relativa fama em redes sociais como o Instagram.

Hoje bombeiro militar, JP Gadelha acredita que sua formação profissional o ajudou a encontrar o tom certo de sua atuação no programa. “Sempre falei a verdade. É assim que eu sou na vida real. O militarismo também me ajudou bastante. Reforcei valores de lealdade, camaradagem, fidelidade às pessoas ao meu lado“, considera.

O maior desafio, para ele, esteve em suportar o isolamento imposto aos competidores – todos eles confinados em um condomínio em Manchester, na Inglaterra, sem acesso ao convívio com outras pessoas que não os próprios oponentes, com quem interagiam apenas no âmbito virtual.

Ficar isolado num apartamento sozinho, sem contato com mundo externo, sem redes sociais, sem informações. A ausência de informações do mundo e da família era difícil. Traz solidão“, admite.

O melhor de dois mundos

Apaixonado pela carreira de bombeiro, JP nem cogita trocá-la tão cedo pelos holofotes. O que não significa, porém, que ele esteja fechado para qualquer possível convite de voltar à mídia.

“Com toda essa exposição, virão muitas propostas artísticas, e eu estou preparado para analisá-las com muita cautela – e tentar alinhar tudo que surgir com a minha profissão de bombeiro”, garante. Nós, fãs, desejamos que ele volte logo!

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio